Região

Ações marcam Dia de Combate ao Abuso contra crianças e adolescentes

Em Farol, crianças da rede municipal de educação participaram da passeata com cartazes pela cidade.

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, nesta quinta-feira (18 de maio), será marcado por várias ações que chamam a atenção de autoridades e sociedade para o problema na região de Campo Mourão. Além de palestras nas escolas, em Mamborê, acontece distribuição de panfletos nas escolas municipais e também nas ruas da cidade e nas comunidades rurais. Em Luiziana, Farol e outros municípios da Comcam também haverá algum tipo de mobilização.

Já em Campo Mourão, o tema será tratado diretamente com pessoas que trabalham com a causa, por meio de uma palestra com o Psicólogo Gastão Ribeiro, de Belo Horizonte (MG). A palestra acontece hoje, a partir das 19h30, no Teatro Municipal. “Ele vai falar sobre o que é um trauma e como auxiliar crianças e adolescentes a superá-lo. Já nesta sexta-feira, ele permanece em Campo Mourão, quando fará um treinamento com a Rede de Atendimento para auxiliar e capacitar a todos. O objetivo é que possamos estar preparados para prestar o melhor atendimento às crianças e adolescentes, além de mulheres vitimas de violência”, afirma a psicóloga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Thais Cristina Fondazzi Radecki.

De acordo com Thais, Ribeiro é o fundador do Espaço Trauma Infantil em Belo Horizonte, e possui pessoa notória capacidade técnica no assunto. “Ele atende crianças carentes vitimas de violência e seu trabalho é todo voltado nesse sentido”, comenta ela, lembrando que em Campo Mourão ainda há muitos casos escondidos entre quatro paredes. “Temos registros de muitos casos de abusos contra menores, mas sabemos que ainda há muitos outros que não são denunciados. Isso ocorre porque geralmente os agressores fazem parte da própria família e acabam coagindo ou culpabilizando a própria vitima.”

Mamborê

Em Mamborê também as ações já começaram com antecedência. De acordo com a psicóloga Gabriela Markus Chaves, do CREAS, a semana começou com panfletagem no distrito de Canjarana, Pensamento e Guarani. “O objetivo é chamar a atenção da comunidade para esse grave problema que ameaça crianças e adolescentes”, disse ela. Ontem a panfletagem aconteceu em uma barraca, montada na Feira do Produtor, na entrada da cidade.

Já nesta quinta-feira, haverá uma grande mobilização, com a presença de várias estudantes da rede municipal participando de um pedágio com entrega de panfletos nas ruas da cidade. O evento deve ter início a partir das 9 horas, com a colagem de adesivos nos carros também. “Além disso, acontecem palestras nas escolas sobre esse tema, não apenas na próxima semana, mas durante o ano todo”, explica.

Farol

A Prefeitura de Farol, por meio da Secretaria de Ação Social e Secretaria de Saúde, em parceria com Conselho Tutelar e CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), também promove ações desde segunda-feira (15). Na terça-feira foi realizada uma passeata com participação das Escolas, Educação, Conselho Tutelar, CRAS, Social, Saúde e comunidade em Geral. A passeata percorreu ruas e avenidas da cidade. Hoje, a partir das 13h30 acontece o encerramento com apresentações de teatro, produções de cartazes e palestra com o Soldado Bezerra.

O dia 18 de maio foi escolhido como data nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, porque em 18 de maio de 1973, Araceli Cabrera Sanches, foi vítima de um crime que chocou o país. Ela tinha apenas oito anos de idade quando foi sequestrada, estuprada e morta. O seu corpo, desfigurado por ácido, apareceu em uma movimentada Rua de Vitória, Espírito Santo.

Disque Denúncia

O Disque 100 é uma importante ferramenta para que a sociedade denuncie os casos de violência contra crianças e adolescentes e funciona diariamente, inclusive nos fins de semana e feriados. As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização, de acordo com a competência e as atribuições específicas, priorizando o Conselho Tutelar como porta de entrada, no prazo de 24 horas, mantendo em sigilo a identidade da pessoa denunciante.