Região

Regional de Saúde faz alerta para infestação de escorpiões

A 11ª Regional de Saúde de Campo Mourão tem demonstrado preocupação com a grande infestação de escorpiões, que estão presentes praticamente em todos os municípios da Comcam. Em algumas cidades, como Quinta do Sol, a situação é alarmante e pode até ter saído do controle, pois apenas na quarta-feira, durante uma varredura realizada na cidade pela Vigilância Sanitária, foram encontrados 60 escorpiões, todos amarelos, os quais são considerados mais perigosos. A picada desse tipo de espécie pode levar à morte, principalmente em casos de crianças e idosos.

No mês passado o biólogo da Divisão de Vigilância de Zoonoses e Intoxicações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Emanuel Marques da Silva, esteve em Campo Mourão, onde realizou um curso de Entomologia, para as equipes da vigilância em saúde dos municípios da região. O objetivo foi repassar algumas orientações para que esses profissionais da saúde possam identificar e reconhecer com mais facilidade o escorpião.

De acordo com o biólogo, o curso foi importante para garantir que todos os municípios tenham pelo menos uma equipe capacitada neste tipo de atividade. “Encontrar serpentes e outros animais peçonhentos na cidade, principalmente o escorpião, é bastante comum, por isso é preciso que haja uma equipe preparada para fazer a contenção desses animais e a remoção para local adequado”, explicou.

A chefe da 11ª Regional de Saúde, Elenita Mortean afirma que em todos os municípios da Comcam foram encontrados escorpiões, ou seja, com preocupação maior para Quinta do Sol, Goioerê e cidades circunvizinhas. “A infestação aumentou significativamente em todos os municípios, mas nessas cidades a situação é mais grave. Campo Mourão também enfrenta o mesmo problema, principalmente na região do jardim Copacabana, por isso os cuidados precisam ser redobrados”, alerta ela.

Um profissional da Regional da Saúde tem visitado todos os municípios da região e coletado amostras. A orientação é para que as pessoas comuniquem a vigilância sanitária de seus municípios, caso encontrem o escorpião. Elenita pede ainda para que as pessoas evitem o acúmulo de entulhos nos quintais, considerado principal criadouro ou esconderijo desse tipo de bicho. “A presença do escorpião está relacionada com o ambiente que o próprio morador propicia a ele. É um bichinho que se esconde debaixo de entulhos, madeiras velhas, telhas quebradas, por isso pedimos para que as pessoas não acumulem nos quintais esse tipo de material”, explica.

Os cuidados precisam as constantes também dentro de casa. O escorpião pode se alojar atrás de móveis, calçados e ficar até na cama. “Como a infestação tem sido grande, todo cuidado é pouco e pedimos para que as pessoas verifiquem até a cama na hora de deitar.”

A grande quantidade de escorpiões encontrados em Quinta do Sol surpreendeu a chefe da Regional de Saúde. “É muita coisa pelo tamanho da cidade, mas estamos intensificando os trabalhos de endemias, com visitas em todos os municípios, mas de forma especial onde o problema é mais grave, como Quinta do Sol”, completa.

A picada do escorpião amarelo pode ser comparado ao de uma serpente ou cascavel. Gera muito dor e o paciente deve ser imediatamente encaminhada ao posto de saúde para atendimento médico. Se não procurar logo assistência médica a situação pode se agravar. A casa também deve ser protegida para evitar que o bicho adentre, principalmente na cozinha e banheiro, locais preferidos por acumular umidade. O correto é vedar caixas de gordura para evitar que o escorpião chegue até o interior da casa, assim como proteção embaixo das portas, evitando toda fresta que ele possa passar.