Curiosidades da Saúde
Já cheirou um ‘pum’ hoje?

Um estudo realizado pela Universidade de Exeter, no Reino Unido, informa que cheirar “pum” pode prevenir várias doenças como câncer, ataque cardíaco e demência. Isso mesmo! Fizeram um estudo científico sobre o “pum” alheio.

Segundo Matt Whiteman, professor que trabalhou no estudo, a pesquisa será publicado na revista Medicinal Chemistry Communications. Acredite, essa revista também existe. O composto que existe no “pum” e ajuda na prevenção das doenças é chamado de AP39.

O Professor Doutor Mark Wood também participou da pesquisa e defende a tese que conseguiram criar em laboratório um composto capaz de imitar os benefícios do pum, o que pode futuramente resultar em terapias para uma variedade de doenças.

O que a pesquisa não explica é como o “pum” pode agir na célula e assim prevenir o câncer, ou em qual estrutura da célula do coração o “pum” pode prevenir um infarto. De qualquer forma fica a dica, uma cheirada aqui e outra ali tem o poder de reduzir os riscos de câncer, acidentes vasculares cerebrais, ataques cardíacos, artrite e outras demências segundo esses pesquisadores ingleses.

Fonte: iG São Paulo

A influência do pai no crescimento do filho

Culturalmente são as mães responsáveis pelo cuidar e pela educação dos filhos. Mas não vamos confundir ensinar com educar. Em muitos lugares encontramos a frase “os pais educam, os professores/escola ensina” o que é bem diferente. Mas nesse contexto onde entra a figura paterna?

Estudo realizado pela Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, mostrou que a influência do pai é determinante para a formação da criança. Foram avaliados 36 trabalhos com mais de 10.000 pessoas, entre crianças e adultos. O resultado apontou que a rejeição paterna tem influência marcante por dois principais motivos, primeiro por ser mais comum a rejeição do pai que a da mãe e segundo porque, historicamente, a figura do homem é associada a prestígio e poder, sendo assim a criança entende que foi esquecida por alguém considerada detentora desse “poder”.

O mais interessante e preocupante ocorre no cérebro da criança. O estudo aponta que as partes ativadas do cérebro quando uma criança se sente rejeitada são as mesmas que se tornam ativas quando ela sente uma dor física como em um machucado. Essa dor psicológica pode ainda ser revivida por anos, causando hostilidade e agressividade na criança.

Em contrapartida, a presença e carinho do pai influenciam na personalidade do filho de forma a trazer segurança, estabelece melhor as ligações afetivas e facilita a vida adulta em sociedade.

Fonte: Mildicasdemãe  - Nívea Salgado

Aids e Câncer ou água poluída?

Segundo estudo realizado pela organização americana WaterAidQuase, cerca de 800 mil mulheres morrem anualmente por falta de saneamento básico. Esse número corresponde a 5ª maior causa de mortes de mulheres em todo mundo.

Os pesquisadores que analisaram dados do Instituto de Métricas da Saúde, centro de estudos sediado em Seattle, nos EUA e descobriram que doenças transmitidas pela água poluída e pelo saneamento ruim matando mais que a Aids, a diabetes ou o câncer de mama.

As quatro primeiras doenças que mais matam mulheres foram as doenças cardíacas, derrames, infecções das vias respiratórias inferiores e doenças pulmonares obstrutivas crônicas

Barbara Frost, diretora-executiva da WaterAid disse que “esta situação completamente inaceitável afeta a educação, a saúde, a dignidade de mulheres e meninas e, em última instância, resulta em mortes precoces e desnecessárias”.

Os números apresentados pelo estudo é alarmante. Mais de um bilhão de mulheres, o que corresponde a uma em cada três em todo o mundo, não têm acesso a um banheiro. Cerca de 370 milhões de mulheres, uma em cada dez, não tem acesso à água limpa.

Atualmente muita tem se falado de doenças da modernidade, no entanto, doenças tradicionais, causadas por problemas antigos continuam matando pessoas.

Fonte: Reuters

É Gripe?

Quem nunca presenciou uma pessoa espirrando e logo outra perguntando se é gripe? Ou ainda. Quem nunca viu uma pessoa falando que está a mais de um mês gripada? Mas então, será que realmente essa pessoa está gripada?

Segundo pesquisa publicada na revista PLoS Biology um adulto tem uma gripe de verdade a cada 5 anos em média.

Mas você pode questionar: “Mas eu fico doente com muito mais freqüência”. De acordo com os cientistas que realizaram a pesquisa, esses episódios mais frequentes são infecções parecidas à gripe, mas não exatamente iguais.

O estudo foi realizado na China através de exame de sangue de 151 voluntários com idades entre 7 e 81 anos. Nessas amostras foram analisadas as nove principais variedades de gripe conhecidas e em circulação no mundo entre os anos de 1968 e 2009.

Pesquisadores de Londres, Estados Unidos e China procuraram anticorpos no sangue dos voluntários para tentar descobrir se eles realmente tinham sido infectados com os vírus da gripe e com qual frequência.

Os resultados indicaram que as crianças pegaram gripe a cada dois anos aproximadamente com o passar dos anos as infecções ficavam menos frequentes. A partir dos 30 anos, as gripes tendem a ocorrer a uma taxa estável de cerca de duas vezes a cada 10 anos entre os voluntários pesquisados.

 

Segundo um dos autores do estudo, Steven Riley, a infecção por influenza é menos comum do que alguns pensam. Ocorre com uma maior frequência durante a infância e adolescência, possivelmente pelo fato de crianças terem mais contato com outras pessoas.

Para Ron Eccles, do Centro de Resfriado Comum da Universidade de Cardiff, na Grã-Bretanha, as pessoas fazem muita confusão entre gripe e resfriados.

Tanto resfriados e gripes são causados por vírus, podem causar febre e dor de garganta, além de tosse e espirros. A transmissão das duas doenças ocorre de pessoa para pessoa através de espirros e tosse.

No caso do resfriado comum, os sintomas chegam de forma gradual e, geralmente, são mais suaves e afetam principalmente o nariz e a garganta.

Já a gripe é mais grave e normalmente faz com que a pessoa queira ficar na cama. Os sintomas incluem ainda dores, nariz entupido ou escorrendo.

As pessoas que mais sofrem com a gripe são as pessoas idosas e com problemas crônicos de saúde, como asma. Elas precisam de uma atenção especial. Ahh! Com a gripe e não resfriado!

Fonte: Saúde do site da BBC

Alimentos que consumimos regularmente podem ser tóxicos

Você sabia que alguns alimentos que comemos regularmente podem fazer mal a saúde?

Atualmente as intoxicações alimentares estão cada vez mais presentes. Essas intoxicações podem causar desde discretos desconfortos gastrointestinais até casos graves de intoxicações. Essas situações podem estar relacionadas ao consumo em excesso ou preparo e armazenamento indevido.

Fizemos uma pesquisa na internet e listamos dez desses alimentos.

1. Mandioca

É um alimento muito popular em nosso país, no entanto, algumas espécies de mandioca possuem em sua composição o ácido cianídrico, que pode causar intoxicação por ingestão. Normalmente a concentração desse ácido é insignificante, porém algumas espécies possuem uma quantidade maior desta toxina. Melhor evitar comer mandioca crua.

2. Castanha de Caju

A toxina da castanha de caju crua é chamada de urushiol. Esta substância pode até ser letal. No entanto, nós consumimos a castanha torrada ou cozida, o que inativa a toxina. É necessária uma grande quantidade de urushiol para ser letal, porém se você pensar em comer a Castanha de Caju crua, ela pode gerar dermatite ou inflamações na pele.

3. Pimenta

A pimenta é interessante. Agrada a alguns e é evitada ao máximo por outros. Apesar de algumas pessoas comerem pimenta com uma freqüência maior, felizmente as pessoas não comem uma prato de pimenta diariamente. Seu consumo exagerado pode causar problemas gástricos e intoxicações.

4. Batatas

As batatas possuem a glicoalcalóide que pode ser tóxica. Felizmente essa toxina está presente em maior concentração no caule e nas folhas. Algumas culturas, diferentes da nossa, comem as folhas da batata que é mais perigoso. Quanto a isso podemos continuar comendo batatinha frita que a toxicidade dela é irrelevante. Se tratando exclusivamente da batata, óleo utilizado na fritura já é outra história.

5. Amêndoas

As amêndoas possuem o cianeto. Para inativar essa toxina é preciso torrar ou cozinhar as amêndoas. As amêndoas mais amargas é que possuem uma concentração maior de cianeto, o seu consumo exagerado é mais perigoso.

6. Cereja

Cereja? Logo a Cereja? Todo mundo gosta de Cereja. Mas a cereja pode liberar ácido cianídrico causando dor de cabeça e vômitos. Mas tenho que evitar até a cereja do bolo? Quanto a isso não precisamos se preocupar, para ser tóxica a quantidade de cereja ingerida tem que ser extremamente alta.

7. Tomate

Assim como a batata, o problema do tomate está no caule e nas folhas. A fruta, sim o tomate é uma fruta, pode ser consumida sem problema. Salvo se o tomate não tiver procedência e cheio de agrotóxicos.

8. Maçã

Maça tóxica? Está parecendo a história da Branca de Neve. As sementes de maçã possuem um nível baixo de cianeto. Diferente da personagem da história infantil, comer uma maça não irá matar ninguém, mas para que se arriscar comendo diariamente uma quantidade exorbitante de semente de maça?

9. Cogumelos

Os cogumelos tudo bem de estarem nessa lista. Alguns são comestíveis, porém como existem milhares de espécies não podemos sair por ai comendo todo cogumelo que encontramos pela frente. Muitas espécies possuem toxinas que certamente irão fazer mal.

10. Baiacu

A história do Baiacu é verdadeira e possivelmente você já ouviu falar dele. Trata-se de um peixe que tem um veneno chamado tetrodoxina. Esse veneno pode causar dormência, pressão alta e paralisia muscular levando a morte. A forma de preparo é o que determina se trata-se de uma iguaria ou de um veneno.

A grande questão desses e de outros alimentos é o exagero. O excesso é determinante para que um alimento que seria saudável se torne nocivo ao corpo humano. Nenhum desses alimentos precisam ser evitados ao extremo, o importante é o cuidado com a forma de preparo e a ingestão adequada.

Fonte: Saúde - Terra

Consumo de Carne tem relação com Câncer?

Quase que diariamente surgem pesquisas relacionando diversos fatores ambientais e genéticos com o desenvolvimento de Câncer. Inclusive recentemente houve uma pesquisa que relacionou o "azar" da pessoa como um dos principais motivos para que essa doença venha a acontecer.

O Câncer é uma doença multifatorial, ou seja, existem inúmeros fatores relacionados que podem causar a formação de uma Neoplasia. Existem fatores de risco que podem aumentar a chance do Câncer se desenvolver. Alguns fatores são muito conhecidos como o cigarro e a exposição aos raios solares sem proteção. Mas seria a carne também um desses fatores?

Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia a resposta é sim. O estudo demonstra que o consumo prolongado de carne vermelha é fator de risco para o desenvolvimento de diferentes tipos de câncer. Isso devido a uma substância conhecida como ácido siálico não humano presente na carne vermelha e que pode gerar um processo inflamatório que predispõe ao câncer.

Para chegar a esse resultado, os pesquisadores utilizaram cobaias que foram alimentadas com uma dieta contendo essa substância e comparam com outras cobaias. Constataram que o grupo que ingeriu a dieta com ácido siálico teve uma incidência cinco vezes maior de Câncer do fígado.

Pesquisas indicam que populações que ingerem pouca ou nenhuma quantidade de carne vermelha apresentam menores incidências de câncer. Sendo que, indiferente da forma de preparo, o ácido siálico está presente da mesma forma na carne.

Então a carne é mais um dos inúmeros fatores de risco para o Câncer. Sobrou para a carne também. Frita, assada ou cozida, mais um fator de risco está aí.

Fonte: Vencer o Câncer (Valéria Hartt)

Por que nossos dedos ficam enrugados na água?

Todos nós sabemos que ficar com os dedos em contato com a água os deixam enrugados. Mas por que isso acontece? Normalmente as pessoas associam esse fato unicamente ao inchaço da pele devido ao contato prolongado com a água e nada além disso.

No entanto, uma pesquisa realizada na Grã-Bretanha defende que os dedos enrugados indicam mais que isso. Indicam a evolução do ser humano por milhares de anos. Trata-se de uma vantagem da espécie humana.

Para chegar a essa conclusão os cientistas da Universidade de Newcastle fizeram o seguinte experimento: voluntários precisavam pegar bolas de gude imersas em um balde d'água com uma mão e passá-las para outro local. Pode-se observar que os voluntários com os dedos enrugados realizavam a atividade com uma maior agilidade e rapidez.

Esse estudo sugere que quanto mais o dedo fica enrugado em contato com a água, mais fácil fica manusear e realizar tarefas embaixo d´água, como por exemplo procurar alimentos.

Depois de ler esse trabalho fico me fazendo duas perguntas. Primeiro, o que o cientista estava pensando quanto teve a curiosidade de realizar essa pesquisa. Segundo, o próximo passo será comparar a evolução através de dedos enrugados?

É uma coisa a se pensar. Muitas coisas são pesquisadas no mundo atualmente, no entanto, essas pesquisas terão aplicabilidade?

Ataques de raiva aumentam risco de infarto

Se popularmente dizemos que o ano se inicia após o Carnaval, nada melhor que usar essa data para recomeçar a escrever para o site.

Passado as férias do início do ano e Carnaval chega a hora de voltarmos à rotina de trabalho, estudos e demais compromissos. Toda essa responsabilidade nos leva muitas vezes a passar por situações estressantes e ataques de raiva. No entanto, cuidado com esses ataques.

Um estudo realizado pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard é o primeiro a confirmar, com bases estatísticas, a relação entre emoções fortes e risco cardíaco, embora as causas biológicas exatas ainda sejam desconhecidas.

O trabalho levou em consideração mais de seis mil eventos cardiovasculares, entre os anos de 1966 e 2013.

Os resultados apontam que nas duas primeiras horas após um ataque de raiva, o risco de uma pessoa sofrer um infarto é quase cinco vezes maior em relação aos momentos em que não há abalo emocional. E há uma probabilidade três vezes maior de ter um acidente vascular cerebral, o chamado derrame.

Ainda segundo o estudo, em um grupo de 10 mil pessoas com baixo risco cardiovascular que se aborrecem apenas uma vez por mês, registra-se um ataque cardíaco a mais do que a média das pessoas que são mais calmas e não passam por ataques de raivas.

Elizabeth Mostofsky, da Harvard School of Public Health de Massachusetts informa que "apesar de o risco de sofrer um problema cardiovascular agudo seja relativamente baixo com apenas um ataque de raiva, ele aumenta entre pessoas que têm ataques freqüentes, principalmente para os que possuem mais fatores de risco ou para os que tenham sofrido ataques cardíacos, derrames ou tenham diabetes".

Esse é o primeiro estudo realizado com um grupo tão expressivo e confiável de casos. No entanto, a pesquisa não determina as causas biológicas da relação entre a raiva e os ataques cardíacos. Porém, muitos autores apontam que o estresse emocional aumenta a frequência cardíaca e a pressão sanguínea podendo provocar trombose e consequentemente levar ao Infarto e Derrame.

Então agora que começou o ano, vamos tomar cuidado e nos estressarmos menos. E logo vai chegar a Copa do Mundo, e aí o Brasil infelizmente vai parar mais uma vez.

Fonte: Saúde Plena

Você sente bem os cheiros? Imagina com “dois narizes”!

Isso mesmo pessoal, se você gosta de sentir o cheiro de um bom perfume, cheiro de comida, imagina com dois narizes. Ou ainda, se você sente falta de ar, com dois narizes você não poderia respirar melhor?

Esse caso aconteceu na China. Um rapaz chamado Xiaolian tem dois narizes hoje. Não para respirar melhor ou sentir cheiro, mas sim por outro motivo.

O rapaz, de 22 anos, sofreu em agosto de 2012 um acidente de carro quando teve um trauma no nariz. Após o acidente, houve uma infecção no nariz que destruiu grande parte da cartilagem tornando impossível a restauração do nariz machucado.

Como resolver esse problema? Os cirurgiões chineses fizeram crescer um 'nariz' artificial na testa do rapaz. O “novo nariz” é formado por cartilagem retirada da costela do próprio paciente e por um expansor de tecido da pele no formato de um nariz na testa de Xiaolian.

Sabe a expressão “ele tem olho nas costas”. Nesse caso Xiaolian tem “nariz na testa”.

Por enquanto o “novo nariz” não tem função no momento, não serve para respirar ou sentir cheiro, mas será transplantado para substituir o nariz danificado, vindo a ser eficaz na respiração do rapaz.

Na foto abaixo podemos ver Xiaolian com os “dois narizes”.

Ronco pode ser eliminado com exercícios de canto

Ontem fiz uma viagem de ônibus e ao ver essa notícia relembrei de imediato da situação vivida durante a viagem.

Viagem de ônibus a noite, vai batendo aquele sono, fácil cochilar, porém não contava com um detalhe, alguém roncando no ônibus. Não era um ronco de alguém por perto, era um ronco que se alastrava pelo ônibus.

Agora, após ler essa reportagem, sei que poderia ter acordado a pessoa e o indicado a fazer aulas de canto.

Um estudo realizado no Reino Unido provou que exercícios de canto, realizados diariamente durante três meses, podem eliminar o ronco.

O estudo foi realizado no Hospital Royal Devon and Exeter, na Inglaterra. Participaram 60 pacientes que foram acompanhados durante três meses. Metade dos participantes estava no grupo controle, enquanto a outra metade realizaram exercícios de canto para melhorar a tonificação dos músculos da garganta.

Segundo Alise Ojay, diretora do coral e responsável pela pesquisa, pacientes que fazem estes exercícios de voz, pronunciando os sons "ung" e "gar" juntos (certeza que você acabou de pronunciar os sons em voz alta) e em tons diferentes conseguiram diminuir e até acabar com o ronco.

A diretora afirmou que os exercícios precisam ser feitos diariamente, durante três meses, para o paciente conseguir alguma melhora.

Agora vamos concordar pessoal. Tem pessoas que roncam tanto, que para ter melhora, precisam realizar o exercício três vezes por semana, por uns seis meses. Pelo menos!

Fonte: BBC Brasil