Investimentos, por André Ciola
Ainda compensa investir na Renda Fixa?

Entre 2016 e 2017 era fácil achar produtos na Renda Fixa que rendiam cerca de 1% ao mês, pois a taxa Selic chegou a bater 14,25% ao ano. Com a queda da inflação, o Banco Central derrubou a taxa Selic no menor patamar da sua história, ficando em 5,5%, podendo fechar 2019 entre 4,75% e 5%. Com um valor da Selic tão baixo, ainda compensa investir na Renda Fixa?

Os produtos de investimentos da Renda Fixa são os que você sabe quanto vai render no momento da aplicação. Esses produtos têm rendimentos pós-fixados, que seguem a variação da Selic e do CDI, pré-fixados que rendem um valor fixo estabelecido no momento da aplicação, e pode ser mista, quando o produto rende a variação da inflação mais uma taxa pré-fixada.

A taxa Selic é determinada pelo COPOM em reuniões que acontecem a cada 45 dias. A Selic é a taxa básica de juros da economia, ou seja, ela serve como parâmetro para as taxas de juros do cartão de crédito, cheque especial, financiamentos, empréstimos e etc.

O CDI é uma taxa que fica muito próxima da Selic, é cobrada em empréstimos entre os bancos, em que quem fechou o dia com prejuízo no caixa pega emprestado de quem teve lucro.

Hoje a Selic está em 5,5%a.a., menor patamar da sua história, fazendo os investimentos atrelados a esse índice render cerca de 0,45% ao mês, bem abaixo dos 1% que alguns produtos rendiam por volta de 2016, desestimulando muitos investidores a colocar seu dinheiro em produtos da Renda Fixa.

Como o CDI segue os valores da Selic, e a inflação está baixa, os investimentos atrelados a esses índices também sofreram queda na sua rentabilidade.

Apesar da queda dos juros, os produtos da Renda Fixa ainda são recomendados para quem começou agora a investir, ainda não formou uma reserva de emergência, ou tem um perfil bem conservador para seus investimentos.

Para quem começou agora a investir, por causa da falta de experiência, é recomendado começar a investir na Renda Fixa, e só começar a investir em produtos mais arriscados quando adquirir maior conhecimento e montar uma estratégia sólida para diminuir as chances de perda do seu dinheiro.

Antes de começar a investir é preciso montar uma reserva de emergência, que é o montante necessário para cobrir suas despesas ou da sua família por um prazo que varia de seis meses a um ano. Os produtos indicados têm que ter alta liquidez (resgate imediato) pois nunca saberemos quando vai acontecer um imprevisto, e baixo risco para não perder dinheiro no momento do resgate, sendo recomendado o Tesouro Selic, CDB com liquidez diária e Fundos DI.

O investidor que tem perfil muito conservador não consegue ver o valor dos seus investimentos oscilando muito, então é recomendado compor sua carteira somente com produtos da Renda Fixa, que seguem a Selic ou CDI com alta liquidez para o curto prazo, com produtos que superam a Selic e o CDI com menor liquidez para médio prazo, e produtos que seguem o IPCA para o longo prazo.

Assim não importa se a Selic caiu ou subiu, se o retorno das suas aplicações na Renda Fixa não é mais o mesmo, e sim a sua estratégia para montar uma carteira eficiente, pois no curto e médio prazo temos que dar preferência a liquidez e segurança investindo na Renda Fixa. Então continue seguindo seu plano, não se importando com a variação da Selic.

André Lucas Ciola, economista e desenvolvedor do Blog Me Conte | [email protected]

Artigos sobre investimento: Apresentação

Cada vez mais os brasileiros estão buscando informações sobre produtos de investimento e como montar uma estratégia para realizar seus objetivos.

Meu nome é André, sou formado em Ciências Econômicas pela Unespar, tenho Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos pela Faculdade Integrado e certificação ANBIMA CPA10, além de outros cursos sobre investimentos.

Buscando compartilhar meu conhecimento sobre investimento, será publicado pela Tribuna todas as quintas-feiras artigos com o objetivo que você possa conhecer os produtos de investimento além da Caderneta de Poupança e ações na Bolsa de Valores.

E para ajudar você a conseguir realizar seus objetivos, os artigos serão sobre estratégias e produtos de investimento, explicando como montar uma carteira eficiente, respeitando seu perfil de investidor, como diminuir os riscos das suas aplicações, como escolher o melhor produto para cada objetivo da vida, para você conseguir fazer escolhas inteligentes nos seus investimentos.

Produtos de investimento são as opções que você tem para aplicar seu dinheiro com o objetivo de ele render todo mês. Você pode aplicar em produtos da Renda Fixa, Renda Variável e Fundos de Investimento.

Pertencem à classe da Renda Fixa os produtos que você já sabe quanto vai render na hora que faz a aplicação. Alguns exemplos de produtos são, a Caderneta de Poupança, títulos do Tesouro Direto, CDB, LCI, LCA, CRI, CRA e Debêntures.

Já os Produtos da Renda Variável têm esse nome porque sua rentabilidade varia tanto para cima, tanto para baixo, podendo ser até negativa, pois sofre interferência de fatores externos, como por exemplo, rumo da economia, da empresa que você investiu, algum fato relevante em outros países, no governo e etc. Normalmente são adquiridos na Bolsa de Valores, como por exemplo, ações, contratos futuros, fundos imobiliários.

Os Fundos de Investimento funcionam como um condomínio, pois o gestor do Fundo reúne os recursos de vários cotistas para aplicar em produtos de investimentos com melhores retornos, que você sozinho provavelmente não teria acesso. Exemplos de Fundos são Fundos DI, ações, multimercado, IPCA.

A rentabilidade das suas aplicações pode ser pré-fixada, ou seja, o produto tem uma rentabilidade fixa, com por exemplo um CDB que rende 6% ao ano. E pode ter também rentabilidade pós-fixada, ou seja, o produto segue um indicador como referência da sua rentabilidade, como por exemplo, um Fundo de Investimento que tenta seguir o Índice Bovespa.

Nas estratégias de investimentos mostrarei como compor sua carteira de investimento com produtos da Renda Fixa, Variável e Fundos de Investimento, respeitando seu perfil de investidor e o prazo para realização dos seus objetivos.

E para fazer um bom planejamento, temos que dividir nossos objetivos em curto, médio e longo prazo, e saber quais produtos de investimentos são indicados para cada prazo.

Espero que esses artigos sobre produtos e estratégias de investimento te ajude a montar uma carteira eficiente, que consiga fazer boas escolhas de onde aplicar seu dinheiro, obtendo bons retornos das suas aplicações e por fim que consiga conciliar o tripé retorno, liquidez e risco para conseguir atingir seus objetivos o mais rápido possível. Até quinta-feira que vem!

André Lucas Ciola, economista e desenvolvedor do Blog Me Conte | [email protected]