José Eugênio Maciel
Frases 2018, zelas por elas (final)

“Deve-se antes escolher as palavras, ou primeiro medi-las?

Palavras são a medida do peso das escolhas”.

41 Se o caminho for errado não adianta andar direito.

42 Todo escândalo é espetacular mas nem todo espetáculo escandaliza.

43 O andante ambulante é abundante de andar.

44 O mais gosta do menos. Mas o menos não gosta mais do mais.

45 A melhor roupa para a melhor ocasião é a que poderá ser tirada.

46 O sentido duplo duplamente faz sentido?

47 Só não perde a vergonha quem nunca a teve.

48 A paz depende da guerra que pode ser evitada. /A paz depende da guerra que pode ser ganhada. /A paz depende o que se faz dela.

49 O barco a deriva. /O bar deriva. /O arco abarca. /O barco arca.

50 São palavras que se parecem sem desaparecerem.

51 Perda maior de tempo é do tempo que não existia.

52 Prever o futuro é mais fácil do que ver o passado.

53. E o paradeiro do padeiro que toca pandeiro?54 Ouvir. /Ou vir. / Vir ou vir. /Vim ver. /Viver. /Com viver. /Conviver o que convier. / Conviver é convir com o que vier.

54. Palavras floridas demais lembram as belas flores de plásticos.

55 A ênfase não está em colocar ponto de exclamação após a palavra, no final do texto. É exclamar com palavras, afinal.

56. O tempo ensina bem mais do que todas as horas.

57. Maior precaução que tomar cuidado é engoli-lo.

58. Nem todo rude é rudimentar: elementar.

59 Encarregado do gado dá o recado, todo gado foi carregado sem escorregado.

60.Entre ver e antever, importa é antever.

61 O infinito do ser humano é o humano ser até na finitude.

62. Do ponto a ponto pontuo, afinal, o ponto final é finado?

63 Velhas verdades, inofensivas ante as novas, porque as antigas se conhecem.

64 Não existe uma só palavra, seus significados a tornam plurais.

65 Não se encerra com a última palavra. É com o último ponto.

66. O prolixo sempre tem palavras a mais, sem achá-las demais.

67 Não ter o que fazer é ter-se por fazer nada.

68 Pode ser calada a voz, mais ela ecoa no tempo, memória.

69 Analise a análise: questão de acentuar.

70 Tudo tende a tudo. Tudo tem de tudo.

71 Nem tudo que sobra é demais. É a mais.

72 Rir dos outros é fácil. Engraçado mesmo é saber rir de si mesmo.

73 Partindo do pressuposto que nem tudo é posto, o suposto é parte.

74 O leito do leitor não é o mesmo leito do eleito.

75. Bem cabe o que é justo. Nada cabe ao injusto a não ser o próprio aperto.

76. Cada falso com o seu cadafalso.

77 A verdadeira vergonha não verga. Oque verga é a sem-vergonha.

78 Sentimento maior não é o que se engrandece,é o que agradece.

79 Nem sempre o passado é distante, nossa remota memória.

80 Uma vaga impressão….impressiona vaga mente.

81 Palavras colho. /Palavras recolho. /Palavra olho.

82 Insinuar/Ensina o ar?/Em si no ar/Ensinares: ares.

83 Deve-se antes escolher as palavras, ou primeiro medi-las? Palavras são a medida do peso das escolhas.

84 Cuido para cortar palavras que pode me cortar.

85 Sem beijo sobejo é lampejo, sem pejo que não vejo: desejo.

86 Entre o útil e o agradável, prefira o útil que poderá agradar-se.

87. Em briga de diplomatas a elegância nunca perde.

88 Em briga de muitos obesos não tem como sair de fininho.

89 Em briga de lavadeira lava a roupa quem é trouxa.