Tribuna Livre
Somos parte da solução, não do problema

O Paraná é hoje um dos poucos estados do Brasil que, mesmo diante de uma das maiores crises financeiras da história da nação, consegue manter investimentos em infraestrutura e ainda aumentar repasses para os municípios.

Hoje, a realidade do País é de catástrofe, infelizmente. Três das quatro maiores economias - Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul - decretaram calamidade financeira. Não conseguiram pagar sequer o décimo terceiro salário do funcionalismo do ano passado, e é bem provável que não façam isso em dezembro próximo.

Quando governos não têm recursos sequer para a folha de salários é porque toda a máquina pública já está paralisada. Quebrada, literalmente. E nada pior para ampliar a crise que o corte nos investimentos públicos. Em especial em setores estratégicos e de grande impacto social, como o da construção civil e da infraestrutura, por exemplo.

Aqui, não só conseguimos manter como estamos ampliando investimentos e repasses para os municípios. O Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) mostra, com base em dados da Secretaria de Tesouro Nacional, que as transferências de receitas do ICMS e do IPVA para as prefeituras do Paraná passaram de R$ 3,84 bilhões para R$ 7,44 bilhões entre 2010 e 2016. O avanço foi de 94%.

O equilíbrio das contas públicas tem sido uma tarefa diária e permanente do nosso governo. Com austeridade, sobram mais recursos para obras e ações em favor da população. Neste ano, as nossas despesas tiveram queda de 2,19%, mas os investimentos cresceram 9,84%.

E vamos manter o pé no acelerador. Até setembro, dos R$ 3,9 bilhões previstos para investimentos, somente com recursos do tesouro, foram liberados R$ 2,5 bilhões. Temos mais R$ 1,4 bilhão empenhados.

Ou seja, vamos passar pelo “terremoto” com menos avarias e muito em breve o Paraná será destaque nacional por causa do equilíbrio financeiro. Ficará ainda mais evidente para todos que as ações adotadas pelo governador Beto Richa para enfrentar a crise e sanear o Estado foram acertadas.

Mesmo sabendo que as medidas seriam usadas por adversário para lhe causar desgaste pessoal e político, teve coragem de enfrentar os problemas. Quem optou por agir de forma demagógica e politiqueira hoje não paga salários para funcionários ativos e aposentados.

Aqui, isso não vai acontecer. Somos parte da solução, e não do problema.

Valdir Rossoni é deputado federal licenciado e chefe da Casa Civil do Governo do Paraná

Como lidar com cadelas e gatas prenhas

A gestação é um momento muito especial para fêmeas de qualquer espécie. No caso das cadelas e gatas, não poderia ser diferente: requer cuidados específicos e uma mudança brusca na rotina dos pets, desde o início do cio até o parto. Para entender como isso ocorre, é fundamental que os donos tenham conhecimento de algumas informações, principalmente sobre a alimentação.

O período do cio ocorre nas cadelas de pequeno porte e de grande porte, respectivamente, a partir do sétimo mês e do primeiro ano de vida. Já para as gatas, essa etapa chega a partir do sexto mês. Para ambas espécies, a duração do cio é de 21 dias.

Outra semelhança entre as duas fêmeas está no tempo da gestação, que dura aproximadamente dois meses e pode ser dividida em duas etapas. A primeira engloba os primeiros 40 dias, quando ocorre a formação básica dos fetos, dos órgãos, do sistema neural etc. Nesta fase, é essencial que o dono mantenha um equilíbrio nutricional e sempre ofereça água fresca.

Já na segunda etapa (os últimos 20 dias), é quando ocorre o desenvolvimento do feto, que cresce cerca de 75%.

Durante o período de gestação, é importante que o dono ofereça uma alimentação com maior teor de energia, minerais e vitaminas o que normalmente se faz com um alimento para filhotes. Mas, atenção, não é indicado a suplementação de cálcio, porque isso pode causar hipocalcemia pós parto – ou seja, deficiência de cálcio provocando convulsões nas fêmeas durante ou logo após o parto.

Outra dica importante é controlar o peso das cadelas e gatas durante a gestação. É natural que, com a alimentação mais frequente, elas ganhem alguns quilos, no entanto isso não pode ultrapassar os 30% do peso anterior à prenhez. Assim como é com as mulheres, engordar demais pode prejudicar no momento do parto e a saúde dos pets no futuro.

Portanto a suplementação utilizando um alimento para filhotes nas cadelas prenhes é indicado a partir do 400 dia de gestação, quando ocorre o maior ganho de peso (crescimento fetal). Já nas gatas prenhes o aumento do peso é linear, durante toda gestação, fazendo necessário a introdução do novo alimento a partir do cruzamento. A reserva de energia acumulada na gata durante o início da gestação será fundamental para a produção de leite adequado para amamentar seus filhotes. O alimento para filhotes, tanto na cadela quanto na gata, deve se estender até o desmame do último filhote.

Por fim, com a proximidade do nascimento do filhote, o dono precisa se preparar para presenciar comportamentos diferentes e, até, estranhos das mamães. As cadelas normalmente ficam bem mais quietas e podem, por exemplo, “roubar” roupas e tecidos para fazer ninhos; enquanto as gatas ficam menos sociáveis e tentam se esconder a todo momento. Tudo isso, é claro, faz parte da natureza dos animais.

René Rodrigues Junior é médico veterinário da Magnus, fabricante de alimentos para cães e gatos

Imprensa: quarto poder, primeiro poder, nenhum poder

A mídia, por sua característica e abrangência, costuma ser vista pela sociedade como um poder constituído. Não é para menos. A imprensa constitui-se hoje no principal instrumento para formar opinião. Mas no ranking dos poderes, em que posição ela se encontra? Depende da situação.

Quando comparada com os três poderes responsáveis pela organização política e social da nação, a imprensa comumente é citada como quarto poder. Isso porque a “autoridade” da mídia, por assim dizer, não pode ser maior que a dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Afinal, os veículos de comunicação também estão subordinados às normas estabelecidas por esses poderes.

Levando em conta essa “hierarquia”, a posição de quarto poder pode ser explicada por uma fórmula simples: O Legislativo faz as leis e fiscaliza sua aplicação; o Executivo põe em prática e o Judiciário garante seu cumprimento, enquanto a imprensa divulga e analisa tudo isso.

Mas há situações em que essas posições invertem-se e a mídia, às vezes, pode ser vista até como primeiro poder. E toma essa posição principalmente quando os demais poderes falham nos seus papéis. Quantos crimes políticos foram descobertos por jornalistas, nesses casos, executando uma função que seria do Judiciário? Quantas leis foram criadas ou passarem a serem cumpridas a partir da mobilização social provocada pela mídia? Sem falar que os meios de comunicação mais poderosos são capazes de ajudar a eleger ou derrubar o poder político. Há quem diga que, especialmente alguns políticos, temem mais a imprensa que o Ministério Público.

Em que situações, então, o poder da mídia é afetado? Principalmente quando passa a depender dos demais poderes e assume um papel de subserviência. Um veículo de comunicação, antes de tudo, é uma empresa e como tal visa lucro. Nesse caso, é muito comum a veiculação de informações patrocinadas pelo poder político ou econômico. Sem nenhum poder perante o mercado para garantir a própria sobrevivência, a imprensa abdica, de certa forma, de sua isenção.

Já está comprovado, pelas mais diversas teorias, que a imprensa tem o poder de influenciar a vontade popular. Esse poder, porém, oscila conforme a posição ideológica de cada veículo ou mesmo de sua credibilidade perante a sociedade.

Valdir Bonete é jornalista em Campo Mourão

Sim. Nós temos escolha.

Depois de um período de quatro anos à frente da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (SEDU) e do Paranacidade, retomo o caminho que iniciei em 2002 e volto a representar os paranaenses na Assembleia Legislativa do Paraná.

Ao sair, deixo o resultado de uma gestão focada na melhoria da qualidade de vida dos moradores de cada um dos 399 municípios paranaenses. Entre março de 2013 a agosto de 2017 foram 3,2 mil obras urbanas realizadas pela SEDU, o maior acervo da história do Paraná, e investimentos de R$1,7 bilhão.

Deixo uma secretaria que virou referência em gestão e sinônimo de eficiência no desenvolvimento de projetos para os municípios. Junto com uma equipe altamente qualificada, intensificamos a parceria com as prefeituras e os prefeitos, diminuindo o prazo entre a compreensão da demanda e a ação transformadora. Reduzimos a burocracia e trouxemos agilidade na definição de prioridades e na busca e entrega de recursos.

Superamos todos os estados da Federação na aprovação de financiamentos junto à Secretaria do Tesouro Nacional. No ano passado, o Paraná ficou com 40% dos recursos liberados via STN e neste ano, até julho, já havíamos obtido R$ 110 milhões em financiamentos para vários municípios do Paraná. Esta marca representa 35% dos recursos em todo o Brasil e confirma a eficiência da SEDU e do Paranacidade.

Esse saber fazer, essa “expertise” que desenvolvemos, tem inspirado ainda outros municípios e estados brasileiros. Recentemente, fomos procurados por técnicos do BRDE de Santa Catarina dispostos a implantar a mesma metodologia da SEDU/Paranacidade nos municípios do estado vizinho. Mas a lista de interessados em replicar o nosso modelo de gestão se estende e inclui, só para citar alguns exemplos, o estado de Amazonas, a prefeitura de Porto Velho e até mesmo comitivas de outros países como Panamá, Peru e Angola.

Porém, o mais importante deste legado que estamos deixando é o significado prático dos investimentos e a cultura de valorização desses recursos. São recursos para obras que impactam diretamente na vida dos paranaenses porque se traduzem em mais desenvolvimento e bem estar social às cidades atendidas.

Estas demandas não podem esperar. Tem que ser atendidas com eficiência e agilidade e devem se estender ao maior número possível de municípios. Sem distinção. Porque este é a missão e o fundamento do serviço público.

Ao sair, deixo o resultado e levo comigo a experiência. Vivi a prática diária do bom relacionamento com as prefeituras e o conhecimento das gentes. Trilhei todo o Paraná, sem atalhos, e conversei com os paranaenses de todos os cantos desse nosso maravilho estado. Esse contato reforçou em mim a certeza e o entendimento de que o sonho da população, em qualquer município, é a realização da garantia de qualidade de vida. E esta garantia só se materializa com o acesso facilitado à saúde, à educação e às boas oportunidades de emprego e renda.

Cumpri com plena dedicação uma etapa previamente estabelecida. Uma etapa necessária. Um ciclo que me trouxe importantes desafios e muitas alegrias e que agora se encerra com o sentimento do dever cumprido.

Inicio um novo tempo que será marcado pela intensidade da ação, pela modernidade e pela inteligência coletiva, com muito diálogo e com a determinação de continuar trabalhando para promover o desenvolvimento do Paraná. A determinação de fazer mais e melhor.

Trago junto com esta determinação também a minha experiência no setor privado. Tenho o compromisso de oferecer aos paranaenses uma nova opção. Minha geração tem a obrigação de assumir e participar de forma ativa na gestão pública em todas as áreas e de apresentar uma alternativa que se baseia na eficiência e um modelo de estado mais enxuto, porém mais presente.

Quero assumir e cumprir esta responsabilidade com cada cidadão. Vamos pensar o amanhã de forma coletiva. Sem os ventos do atraso. Com planejamento, com a clara opção pelo conhecimento, inovação e a valorização das boas práticas e das boas causas pelas quais valem trabalhar.

Ratinho Junior

Suicídio: uma questão de saúde pública

Irene Maria Brzezinski Dianin*

O suicídio está em todos os lugares. A Organização Mundial da Saúde (OMS) elegeu 10 de setembro como Dia Internacional de Combate e Prevenção ao Suicídio, daí, a esclarecedora campanha do Setembro Amarelo.

O desconforto do tema o faz pouco discutido, embora sua dimensão seja significativa: Para a OMS, em nível global, a cada ano são um milhão de suicídios, consequentemente, a cada 40 segundos uma pessoa se mata em algum lugar do planeta.

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID-10), no Capítulo XX arrola, entre as causas externas de morbimortalidade, os óbitos por lesões autoprovocadas voluntariamente, cujos dados, de notificação compulsória, compõem as estatísticas do DATASUS.

No Paraná, em 2015 foram notificados 721 desses óbitos, vitimando 569 homens e 152 mulheres, na maioria brancos (590), solteiros (325), entre 30 e 49 anos (295), sendo que 421 dessas mortes ocorreram em casa.

Classificar o suicídio como ato autoprovocado intencionalmente, presume uma inexistente voluntariedade, uma falsa suposição de que o suicida conduz-se livre e conscientemente ao evento morte. O suicídio, comprovadamente, não deriva de ato voluntário, é equivocado relacioná-lo a covardia, fuga ou escolha (VIEIRA, SARAIVA e COUTINHO, 2010). A ideação se instala sub-repticiamente, toma conta dos pensamentos e da vontade do suicida, fazendo-o vítima e algoz de si mesmo.

O equívoco tolda que suicídio resulta de “uma complexa interação de fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais, culturais e ambientais” (OLIVEIRA, 2008) e que deve ser combatido como grave problema de saúde pública.

A heterogeneidade dos fatores de risco impossibilita o apontamento taxativo das causas para o fenômeno, embora a literatura científica indique que tentativas embutem o desejo de suicidar-se; que a dor psicológica, os distúrbios e transtornos mentais se associam ao fenômeno; que abuso sexual, de álcool e drogadição, rejeição e inadaptação às mudanças da vida, aumentam a probabilidade do atentado; que depressão, tristeza e solidão acrescem as estatísticas e o fácil acesso aos meios de cometimento multiplica o agravo; que mulheres tentam mais usando meios menos letais (medicamentos e venenos) e homens matam-se mais pela fatalidade do enforcamento e uso de armas de fogo.

A cada dez tentativas, uma resulta em suicídio. A intenção de matar-se pode persistir até por uma década (BARBOSA, MACEDO e SILVEIRA, 2011). De 15 a 20% dos tentadores buscam a morte no ano seguinte à primeira tentativa e 10% deles se matam dentro em dez anos (BOTEGA, WERLANG, CAIS e MACEDO, 2006). Ainda, 31% das vítimas procuram auxílio médico antes da primeira tentativa, e destas, 23% o fazem na semana em que tentam matar-se (SANTOS, LOVISI, LEGAY e ABELHA, 2009).

O suicídio é evitável em maior ou menor grau, desde que seja conhecido e reconhecido, porém, a desinformação impede seu enfrentamento.

Urge a promoção de práticas de combate: o currículo dos cursos em saúde deve abordar o tema; Agentes Comunitários e demais profissionais em saúde, gestores, professores e líderes comunitários devem conhecer o mal para combatê-lo com eficiência, pois o suicídio não escolhe ricos nem pobres, gênero ou faixa etária, sequer saudáveis ou doentes. Somente o conhecimento eliminará o estigma, em prol de uma convivência onde uma vida saudável tornem-se lugar comum.

 

*Membro da Comissão da Mulher Advogada da OAB- Subseção Campo Mourão; Professora de disciplinas jurídicas da UNESPAR-Campus Campo Mourão; Doutora em Desenvolvimento Regional.

Pecuária: é hora de investir

* Bento  Abreu Sodré de Carvalho Mineiro

A recessão econômica dos últimos anos vem reduzindo o consumo interno de carne no País e, no começo do ano, juntou-se à delação dos donos do monopólio frigorífico e à eclosão dos escândalos da Carne Fraca, que vieram à tona de forma irresponsável. Tais fatos, aliados às expectativas de desdobramento, colocaram em xeque o nosso sistema sanitário, criando questionamentos sobre a carne brasileira no mercado externo, ambiente propício para os nossos implacáveis concorrentes.

Esta tempestade perfeita é o resultado de políticas econômicas equivocadas, dentre elas a da formação de monopólios através de um capitalismo de Estado de transparência questionável, que, somadas a uma frouxidão ética, causaram este ambiente no País, especificamente no mercado de carnes. E está claro que o pecuarista é quem está pagando a conta mais uma vez.
Em outros setores, movimentos como esse seriam inéditos e deixariam até mesmo os mais experientes empresários de cabelos em pé. Mas, quando olhamos para a história da pecuária brasileira, percebemos que não é a primeira vez que temos de encarar uma crise aguda como esta. Neste momento, a grande vantagem do pecuarista é saber como enfrentar essas situações difíceis, preparando-se estrategicamente para a recuperação do mercado.

Historicamente, a pecuária mostra força de recuperação perante cenários como o atual; às vezes, em situações até piores. Vale recordar os focos de aftosa em 2005, quando tínhamos um consumo interno promissor e caminhávamos para um aumento de produção que iria sustentar o Brasil na disputa pela liderança nas exportações de carne bovina. O caos se instalou após a notícia da existência dos focos chegar ao mercado, derrubando a cotação da arroba do boi gordo, que chegou a valer menos que R$ 50,00. Entretanto, a história mostrou que, quem investiu naquele momento, conseguiu colher grandes frutos.

Mais do que apenas aproveitar as oportunidades de preços geradas pela situação, o pecuarista precisa saber como e onde investir. Áreas estratégicas que visem o resultado em médio prazo devem ser priorizadas, focando a eficiência do negócio, lançando mão de tecnologia e gestão.

Em épocas difíceis, a gestão da fazenda ganha enorme destaque, sendo a principal ferramenta do pecuarista para economizar de forma eficiente e investir estrategicamente. Entre estes investimentos, a genética tem papel fundamental. O processo de melhoramento genético é contínuo e seus resultados poderão ser colhidos a partir de dezesseis meses para quem vai comercializar o bezerro. Este insumo ainda segue demonstrando seus benefícios nas gerações seguintes, graças à carga genética depositada no rebanho.

Por menos intuitivo que isso possa parecer, a crise é o melhor momento para investir. O pecuarista que tiver o olhar voltado para o futuro e souber aproveitar o momento para melhorar o rebanho, certamente estará mais preparado para lucrar com os bons tempos que virão quando mais essa tempestade passar.

* Bento Abreu Sodré de Carvalho Mineiro é diretor das Fazendas Sant'Anna, de Rancharia (SP), propriedade que realiza em 17 de setembro, a partir das 14 horas, com transmissão pelo Canal Terraviva, seu tradicional leilão de touros Nelore e Brahman

Atenção Básica: renovar é preciso

* Ricardo Barros

O Ministério da Saúde e secretarias estaduais e municipais de saúde estão trabalhando para qualificar e reforçar a Atenção Básica, principal porta de entrada para o Sistema Único de Saúde (SUS), revisando toda a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), um movimento iniciado em 2015 pelo Conselho Nacional de Saúde. Toda política pública deve, de tempos em tempos, ser defrontada com a realidade e aperfeiçoada para alcançar novas soluções que impactam na melhoria do atendimento para a população, que depende desses serviços. Cerca de 80% dos problemas de saúde podem ser resolvidos na Atenção Básica, que se estiver verdadeiramente fortalecida beneficiará diretamente o cidadão, que não precisará mais buscar atendimentos em Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e/ou emergências dos hospitais, evitando a lotação desnecessária dessas unidades, que poderão focar seus serviços para os casos de média e alta complexidade.

Precisamos reconhecer e garantir importantes mudanças e avanços no acesso, acolhimento e resolutividade da Atenção Básica, respeitando, acima de tudo, as especificidades existentes nas diferentes realidades de cada região. Reforçamos a Saúde da Família como modelo e estratégia prioritária para expansão e consolidação da assistência. No entanto, precisamos avançar e rever os modelos de Equipes de Atenção Básica existentes, de acordo com a realidade dos municípios, tendo em vista que as necessidades de ontem não são iguais às de hoje, e as de hoje não serão iguais às de amanhã. Não podemos estagnar no tempo, sob o risco de perder a efetividade do serviço. Temos que reconhecer outros modelos de equipes.

Entre as novidades, está a flexibilização de atuação das equipes da Saúde da Família (ESF) e dos Agentes de Combate à Endemias (ACE), que serão qualificados, garantindo atendimento integral nas comunidades, dobrando a produtividade das equipes, ajustados às condições de saúde de cada região. Atualmente, existem 51,3 mil ACE e 260,7 mil ACS.

Outra mudança prevista é facilitar o atendimento ao cidadão em outras Unidades Básicas de Saúde. Atualmente, o atendimento está vinculado ao endereço da sua residência. A mudança permitirá que o usuário possa ser atendido em um serviço de sua escolha, podendo ser próximo da sua casa, do trabalho, ou outra UBS de sua escolha. A implantação do Prontuário Eletrônico, em todas as Unidades Básicas de Saúde até 2018, permitirá a ampliação desse atendimento. Nosso esforço, também, é modernizar a Política Nacional de Atenção Básica para acompanhar todas as mudanças de informatização que temos realizado.

Todo o processo de revisão e aperfeiçoamento da Política Nacional de Atenção Básica está sendo debatido, desde 2015, com participação do Conselho Nacional de Saúde, Confederação Nacional dos Agentes Comunitários e Federação Nacional dos Agentes Comunitários. A proposta tem seguido cronograma de ações, agendas e articulações com gestores, trabalhadores, acadêmicos e controle social.

Prioridade da atual gestão, a Atenção Básica tem recebido constantemente recursos do Governo federal. Em 2016, o orçamento destinado à Atenção Básica em todo o Brasil foi de R$ 17,3 bilhões e o valor a ser investido em 2017 é de R$ 19,1 bilhões, registrando um aumento real de 10,4%. Em julho, a pasta liberou R$ 1 bilhão para o custeio de novos serviços da Atenção Básica além de mais R$ 1 bi em investimentos, totalizando R$ 2 bilhões. O compromisso dessa gestão é com a saúde do cidadão, que tem sido feita de forma responsável, eficiente e transparente. Nossa prioridade é melhorar e ampliar o atendimento e isso exige coragem para mudanças, absolutamente necessárias, e todo esse trabalho é sempre sustentado com diálogo. Vamos continuar garantindo serviços de saúde cada vez mais eficientes, aumentando a qualidade do atendimento, principalmente na atenção básica. Reforço aqui meu compromisso de gestor e homem público na busca de soluções para o difícil enfrentamento nas questões de saúde pública no Brasil, porque renovar é sempre preciso.

* Ricardo Barros é ministro da Saúde

O que é isso, ministro? Mais imposto?

Há apenas 3 meses, cobramos publicamente o ministro da Fazenda sobre suas declarações de que pretendia aumentar impostos. Fomos ouvidos.

Nesta semana, ficamos indignados com o anúncio da alta de impostos sobre os combustíveis.

Ministro, aumentar imposto não vai resolver a crise; pelo contrário, irá agravá-la bem no momento em que a atividade econômica já dá sinais de retomada, com impactos positivos na arrecadação em junho.

Aumento de imposto recai sobre a sociedade, que já está sufocada, com 14 milhões de desempregados, falta de crédito e sem condições gerais de consumo.

Todos sabem que o caminho correto é cortar gastos, aumentar a eficiência e reduzir o desperdício.

De janeiro a maio deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016, o governo cortou R$ 11 bilhões de investimento. Também cortou R$ 12 bilhões de outras despesas. Porém, este esforço foi por água abaixo devido ao aumento de R$ 12 bilhões em gastos com pessoal (11,8% acima da inflação) e ao aumento de R$ 15 bilhões em gastos com a Previdência.

A FIESP mantém sua coerência. Desde 2015 empreendemos forte campanha contra o aumento de impostos, que obteve amplo respaldo popular, com 1,2 milhão de assinaturas. Conseguimos evitar a recriação da CPMF e outras tentativas de aumento de impostos.

Mantemos nossas bandeiras e convicções, independentemente de governos. Somos contra o aumento de impostos porque acreditamos que isso é prejudicial para o conjunto da sociedade. Não cansaremos de repetir: Chega de Pagar o Pato. Diga não ao aumento de impostos! Ontem, hoje e sempre.

Paulo Skaf

Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – Fiesp e Ciesp

Joel, simplesmente um amigo.

A morte sempre surpreende. Mesmo aquela que era esperada (e essa não era). Mas vem para todos, indistintamente, sem atentar para a situação de fortuna, ou de posição social, ou de profissão, ou de outra qualidade qualquer.

Joel Albuquerque morreu.

Não. Não era uma pessoa comum. Aliás, daria até para dizer, sem receios dos exageros tão frequentes em situações como esta, que era um homem extraordinário. E tinha uma verdadeira coleção de amigos, cultivados ao longo de sua vida, que não conheceu ressentimentos, invejas ou ódios contra qualquer pessoa. O sorriso era uma constante como se um cirurgião plástico o houvesse plantado ali — propositadamente — como um adminículo de sua simpatia pessoal. Palavras como “mágoa”, “ressentimento”, “ódio”, ou “inveja”, se lhe dissessem qualquer delas, era possível que perguntasse o significado, eis que não existiam no seu vocabulário.

Músico de talento fértil para vários instrumentos — e creio que aprendidos de forma autodidata, nas esquinas da vida — mas era no violão que o seu virtuosismo se esparramava de forma mais abundante. Era fértil e fácil em qualquer gênero musical.

Jogador de futebol na juventude, com promissora carreira, teve truncada a sua aspiração quando uma fratura numa das pernas o tirou dos campos. Desculpem. Não tirou não. Apenas o afastou do profissionalismo, porque, mesmo com a perna quebrada e com articulações visivelmente desencontradas, ainda jogava com muito talento.

Advogado de formação, mas não de profissão. Percorreu por pouco tempo os caminhos do foro, mas voltou-se a outras atividades sem se deixar seduzir pelos encantos dessa profissão.

Joel era uma dessas presenças que nos fazem bem à alma e cuja amizade nos causa orgulho natural. Mas sua amizade não era só isso: era também como um porto de segurança, como uma estaca firme de certeza que, quando precisássemos dele, estaria ali, “rente e quente” como dizem os mineiros. E quando precisássemos de um amigo, Joel era o primeiro da fila. Suas amizades não eram seletivas, mas, ao contrário, eram variadas em gênero e espécie: os encontros efusivos eram tanto com um doutor, um magnata, um industrial, um magistrado, como também com um homem simples, da roça, um matuto qualquer, para quem abria o mesmo sorriso e mostrava a mesma alegria, com um abraço de onde vertia sinceridade.

Filho de família ilustre e tradicional, Campo Mourão já devia muito à Francisco Albuquerque, seu pai, que lutou pela emancipação política da cidade e que foi baluarte de muitas conquistas. Cidade que também devia muito à D. Anita, pessoa cativante e humilde que nos deixou há pouco tampo. Campo Mourão agora deve a Joel, numa dívida que jamais será resgatada.

Cumpriu a sua etapa. Terminou.

E seguiu a muitos que já foram, mas antecipou-se a tantos que ainda ficam. E sofri agora a tentação de escrever meia dúzia de nomes, mas cometeria a injustiça contra milhares de outros, para os quais precisaríamos de um longo livro para relacionar, e, mesmo assim, com certeza, ainda seríamos lacunosos e deixaríamos alguma injustiça.

Mas fica guardada em cada coração a lembrança que não terminará tão cedo. E, junto com ela, essa saudade corrosiva e triste que nos reserva o travo amargo da ausência.

Irajá Pereira Messias, advogado.

Dia das mães, avós, bisavós, filhas, irmãs, esposas, mulheres...

“Mãe, três letras apenas, mas com um sentido profundo. Céu, também só tem três letras, no entanto, é a redenção do mundo!”

Compartilho com o pensamento do Padre Zezinho-scj, à respeito da celebração do Dia das Mães, de que para homenageá-las, é difícil achar palavras novas…Quase impossível dizer mais do que já foi dito…E não faz sentido reprisar poemas.

Sobre as mães já se esgotaram todas as palavras bonitas. No entanto, entra ano e sai ano, em algum improvisado palco, em púlpitos, em salões do mundo, em emissoras de rádio e televisão, no dia das mães, alguém dirá, outra vez,a palavra mãe , mãe , mãe , mãe…como se diz Pai Nosso e Ave Maria, como se repetem rosários e ladainhas e mantras, As mães ouvirão, emocionadas ou serenas, o cantar, os beijos, as homenagens de filhos e marido, receberão, encantadas, os presentes, e, lá no fundo de seu coração materno, a maioria delas dirá que valeu a pena.

Mas só elas saberão o que significou a sublime renúncia de ser mãe.

O Dia das Mães também é uma data para reflexão, oração e saudade, para os filhos e filhas que têm a imagem, exemplos, lições e ternura dessa Mulher amável, meiga, terna, amiga e com singular bondade, não mais fisicamente, mas presente na cabeça e no coração, pois no Céu ela tem muito mais espaço para cobrir de bênçãos a cada um dos seus amados.

Para elas, Carlos Drummond de Andrade – o poeta maior – cantou no poema “Para Sempre” – Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento. Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus se lembra – mistério profundo – de tirá-la um dia? Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho.

Agonizando na cruz do calvário, antes de entregar ao Pai celestial o seu espírito; Jesus – o Cristo, num gesto de preocupação com o futuro de Maria, a sua Mãe terrena, buscou força e inspiração para dizer a João, o discípulo amado: - Amigo, eis aí a tua mãe. - e voltando o olhar para a Mãe: - Mulher, eis aí o teu filho!

Mãe que é mãe se cansa, mas descansar, não descansa!

Cremos que há algo nas mulheres que lembra Deus! Sua ação é vida: tornou-se gente; caminha com a gente; sofre, chora, consola, perdoa, anima, renova e santifica. Amor-doação, dado de graça. Amor grande demais. Deus é Mãe!

Concluo com o evangelizador, Padre Zezinho, nos versos da canção – Desculpa, mãe! - DESCULPA-ME, DEPOIS DE TANTO TEMPO/ PORQUE TE MAGOEI AQUELA VEZ /DESCULPA-ME POR TANTOS CONTRATEMPOS/ QUE A MINHA REBELDIA TE CAUSOU/ DESCULPA, MINHA MÃE, POR NÃO TER DITO UM DEUS TE PAGUE/ DESCULPA, MINHA MÃE, POR NÃO SABER TE AGRADECER/ DESCULPA, PELAS FALTAS DE RESPEITO/ DESCULPA ESTE TEU FILHO QUE CRESCEU/
O TEMPO CAMINHOU DEPRESSA E APESAR DOS MEUS DEFEITOS/ ACABEI VIRANDO ALGUÉM. TEU / CORAÇÃO NÃO TINHA PRESSA/ SABIA QUE EU IRIA ME ENCONTRAR/ AGORA QUE EU ACHEI, PROCURO A MÃE QUE EU TIVE/ PARA DAR-LHE UM BEIJO AGRADECIDO/ E ATRASADO, MAS FELIZ/
DESCULPA-ME MAMÃE, PELA DEMORA IMENSA/ LEVA-SE UMA VIDA PARA ENTENDER O QUE É TER MÃE....

GILMAR CARDOSO, advogado, poeta, membro do Centro de Letras do Paraná, membro fundador da cadeira nº 1 da Academia Mourãoense de Letras