Campo Mourão

256 mil eleitores voltam às urnas na Comcam para escolher presidente

Os 256.078 eleitores da Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão voltam novamente às urnas neste domingo (28) para escolher o novo presidente da República que comandará o Brasil pelos próximos quatro anos. Somente em Campo Mourão, são 64.356 eleitores aptos. Os dois candidatos são Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). A votação será das 8 às 17 horas. No Paraná o segundo turno será apenas para presidente, os demais cargos já foram definidos no primeiro turno.

A juíza eleitoral de Campo Mourão, Mayra dos Santos Zavattaro disse que a expectativa para este segundo turno é tranquilidade. Ela disse que a votação será bem mais rápida que no primeiro turno, em que os eleitores votaram em 5 candidatos. “No primeiro turno tivemos alguns problemas com filas, mas neste por ser só um cargo escolhido vai andar mais rápido fluindo melhor a votação”, falou.

Em relação à questão de derrames de santinhos, Mayra acredita que não haverá problemas também. “No primeiro turno tivemos algumas situações, mas se restringiu apenas a candidatos estaduais. Acredito que a cidade ficará mais limpa desta vez”, argumentou.

A Justiça Eleitoral de Campo Mourão fez a lacração das urnas eletrônicas que serão utilizadas no pleito deste domingo na terça-feira (23). O processo foi acompanhado por juiz eleitoral, Ministério Púbico, representante da OAB e de partidos políticos, entre outros. A quantidade de urnas utilizadas para este segundo turno é mesma do primeiro: 209 na 31ª Zona Eleitoral, que atende os eleitores de Campo Mourão e 53 da 183ª Zona, pertencente aos municípios de Farol, Janiópolis e Luiziana. Foram preparadas também 50 urnas de contingência (máquinas reservas) caso algum equipamento necessite ser substituído no dia do pleito. As máquinas serão transportadas aos locais de votação neste sábado (27).

A juíza Mayra orienta o eleitor para que vote logo pela manhã. Segundo ela, algumas pessoas tem costume de votar no momento final das Eleições o que pode gerar filas e tumulto. “Antes de todos os compromissos de domingo o eleitor deve primeiramente comparecer às urnas e garantir o seu direito de voto”, falou.

Outra orientação é que o eleitor leve uma toalhinha para fazer a limpeza das mãos na hora da identificação biométrica. No primeiro turno foram registradas várias situações de eleitores que não conseguiram ter a identificação biométrica reconhecida, tendo que votar no sistema antigo, assinando o caderno de votação. Este foi o principal motivo para a formação de filas.

O eleitor deve ficar atento também aos documentos que deverá levar para a votação que são: documento oficial com foto, como carteira de habilitação ou carteira de trabalho. Quem fez o recadastramento biométrico pode apresentar somente o e-Título, aplicativo de celular disponível na Google Play e na App Store.

Segurança

A exemplo do primeiro turno, para garantir a tranquilidade nas Eleições neste domingo (28), o comando do 11º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Campo Mourão, determinou a “Operação Eleição”, que terá um policiamento diferenciado em toda a área de abrangência do batalhão. Já partir da madrugada deste sábado para domingo, a PM estará com “força máxima” nas ruas da cidade para evitar qualquer contratempo.

Mais de 200 policiais militares estarão envolvidos na “Operação Eleição”, que acontece em toda a área do 11º batalhão. Metade deste efetivo atuará em Campo Mourão. Haverá policiais fixos nos colégios eleitorais da região de Campo Mourão e será reforçado também o patrulhamento nestes locais com viaturas da Rádio Patrulha e Rotam que estarão circulando.

A PM recebeu também instrução normativa do Ministério Público Federal (MPF) sobre o derrame de “santinhos” nas vias públicas. As rondas iniciarão pela cidade já na madrugada de sábado para domingo para prevenir esta prática. Caso ocorra isso a polícia registra o boletim de ocorrência e se a pessoa for flagrada cometendo a prática será qualificada e encaminhada ao Poder Judiciário para as medidas cabíveis. Representantes do Ministério Púbico Eleitoral (MPE) da própria Justiça Eleitoral também estarão nas ruas acompanhando as Eleições.

Eleitor que não votou no 1º turno pode votar neste domingo

De acordo com a Justiça Eleitoral, o eleitor que não votou no primeiro turno das Eleições 2018, ocorrido em 7 de outubro, poderá votar no segundo turno, no dia 28 de outubro, desde que esteja em situação regular com a Justiça Eleitoral. Ou seja, o título eleitoral precisa se encontrar ativo, não podendo estar cancelado ou suspenso.

A Justiça Eleitoral considera cada turno de votação como uma eleição independente e o não comparecimento à primeira rodada de votação não impede o comparecimento às urnas no segundo turno. Além da escolha do próximo presidente da República, no próximo dia 28 de outubro os eleitores definirão o nome de governadores de 13 estados e do Distrito Federal, bem como os prefeitos de 19 cidades.

Por ser uma eleição independente, o eleitor ausente no primeiro turno é obrigado a justificar a ausência. A mesma regra vale para quem não votar no segundo turno. Ou seja, quem não comparecer às urnas nos dois turnos, deverá apresentar duas justificativas à Justiça Eleitoral. De qualquer modo, o eleitor que ainda não tiver justificado sua ausência no primeiro turno não está impedido de votar no segundo porque têm até 60 dias para a providência.

A justificativa pode ser feita por meio de um Requerimento de Justificativa Eleitoral (RJE) que deve ser entregue pessoalmente em qualquer cartório eleitoral ou ser enviado, por via postal, ao juiz da zona eleitoral onde o eleitor está inscrito. O prazo para envio é de 60 dias após cada turno da votação. A RJE deve ser acompanhada de documentação comprobatória da impossibilidade de comparecimento ao pleito.

A justificativa de ausência na votação também pode ser feita por meio do Sistema Justifica. A ferramenta permite a apresentação do RJE pela internet após a eleição. Ao acessar o sistema, o eleitor deverá informar os dados pessoais, declarar o motivo da ausência às urnas e anexar documentação comprobatória digitalizada. O RJE é encaminhado para zona eleitoral a que o eleitor pertence e um código de protocolo é gerado para acompanhamento do processo.