Economia

Bolsas de NY fecham em alta, apoiadas por tecnologia e otimismo com EUA-China

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta sexta-feira, 15, com a volta de sentimentos positivos em relação às negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China após comentários otimistas do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, sobre a realização de um acordo entre os dois países.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,54%, em 25.848,87 pontos, o Nasdaq subiu 0,76%, a 7.688,53 pontos, e o S&P 500 avançou 0,50%, a 2.822,48 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones subiu 1,57%, o S&P 500, 2,89%, e o Nasdaq, 3,69%.

Após as recentes declarações pouco otimistas do presidente americano, Donald Trump, sobre as negociações comerciais entre os EUA e a China, na quinta-feira, em coletiva de imprensa nesta sexta após o término do Congresso Nacional do Povo, na China, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, afirmou que tem esperanças de que os dois países alcançarão um acordo comercial "mutuamente benéfico" nas próximas conversas comerciais, animando o mercado.

A questão EUA-China está entre as principais preocupações dos investidores porque uma guerra comercial entre as duas maiores potências do mundo tem potencial para prejudicar seriamente ambas as economias.

Em Nova York, o setor que mais contribuiu para a alta dos índices foi o de tecnologia. Os papéis da Amazon subiram 1,55% após o KeyBanc Capital elevar seu rating sobre a ação da companhia. Na mesma esteira, a Apple subiu 1,30%, a Microsoft avançou 1,15% e a Intel teve alta de 1,67%. A exceção foi o Facebook, cujos papéis caíram 2,46% após a companhia anunciar que dois altos executivos deixaram a empresa.