Economia

Bolsas de NY fecham na maioria em alta, após dados de emprego dos EUA

As bolsas de Nova York fecharam na maioria em território positivo nesta sexta-feira, com investidores avaliando os números do relatório mensal de empregos (payroll) dos Estados Unidos. Além disso, declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, estiveram no radar, mas a perda de fôlego de ações do setor de tecnologia no fim do pregão pesou sobre o Nasdaq.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,26%, em 26.797,46 pontos, o Nasdaq recuou 0,17%, a 8.103,07 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,09%, a 2.978,71 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones subiu 1,49%, o Nasdaq registrou avanço de 1,95% e o S&P 500, de 1,79%.

A economia americana criou 130 mil vagas em agosto, abaixo da mediana da previsão dos analistas consultados pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, de 150 mil postos. A taxa de desemprego seguiu em 3,7%, como esperado, mas o salário médio por hora avançou 3,2% na comparação anual, acima da previsão de alta de 3,0%. O Morgan Stanley viu os números como sintomáticos da tendência de desaceleração no ritmo de contratações, mas destacou o aumento na taxa de participação da força de trabalho, que foi de 63% em julho a 63,2% em agosto.

Após o dado, as bolsas de Nova York abriram próximas da estabilidade. No início da tarde, os índices acionários se firmaram em alta modesta, que foi mantida até perto do fim do pregão, quando o índice Nasdaq passou ao território negativo.

Além disso, a fala de Powell em evento em Zurique esteve no radar. O presidente do BC americano disse que a economia americana está "em bom lugar", com emprego forte e inflação voltando à meta, mas também citou riscos à perspectiva, entre eles a tensão comercial entre americanos e chineses. Powell reafirmou o compromisso do Fed em usar seus instrumentos para apoiar a economia dos EUA, o que tende a ajudar também os mercados acionários.

Entre os setores, a maioria teve sinal positivo, com papéis de energia entre os destaques, como os das petroleiras Chevron (+0,53%) e ExxonMobil (+0,94%). Ações de tecnologia e de serviços de comunicação, porém, foram na contramão da maioria e recuaram, entre elas Apple (-0,01%), Amazon (-0,39%), Facebook (-1,79%) e Alphabet (-0,48%).