'Bowie traz uma sinceridade comovente', diz ator de Lazarus

O diretor Felipe Hirsch conta que ficou emocionado com o teste feito por Jesuíta Barbosa para definir o elenco. "Eu buscava um ator que, ao cantar, unisse também o trabalho de atuação. E Jesuíta me encantou." Sobre o desafio, o ator conversou com o jornal O Estado de S. Paulo.

Como é sua relação com o teatro musical?

Sempre gostei desse assunto, via muitos espetáculos em Fortaleza. Até participei de uma montagem de Hairspray, mas em menor escala. Ali percebi que a música favorece uma animação cênica. E ainda tem a exigência da técnica, o que é bom para qualquer ator.

Como você se prepara?

Fiz aulas de canto, especialmente durante a gravação da série Onde Nascem os Fortes, em que meu personagem, Ramirinho, se transforma Shakira do Sertão e grava um videoclipe. Tive de estudar durante três meses para poder cantar.

E o que você espera do aspecto musical de Lazarus, com as canções de Bowie?

Bom, quem conhece o Felipe sabe que ele não trabalha com formato fechado - sempre traz uma dramaturgia original. O mesmo acontece com as diretoras musicais, a Maria (Beraldo) e a Mariá (Portugal): elas têm um trabalho arrojado, independente, experimental. É um conceito que combina bem com o trabalho de David Bowie, que não é nada engessado.

Aliás, como você analisa o trabalho dele nesse musical?

Bowie apresenta aqui uma sinceridade comovente, algo comum em sua vida - ele sempre foi sincero. No musical, ele parece se colocar como um extraterrestre para mostrar uma espécie de despertencimento, o que possibilita que ele tire os pés da Terra e se questione sobre passado e futuro. E também permite um embate com temas religiosos, especialmente os delicados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.