Campo Mourão

Campus da UTFPR está com restaurante fechado

Os acadêmicos e funcionários do campus da UTFPR de Campo Mourão foram surpreendidos na segunda-feira (22) com as portas fechadas do Restaurante Universitário (RU), bem como da cantina. A empresa terceirizada Prato Certo, de Apucarana, que servia as refeições, comunicou a direção da instituição, na quinta-feira (véspera de feriado), que não tinha mais condições de cumprir o contrato, que vence no mês de julho.

“Embora a gente já soubesse que a empresa estava enfrentando dificuldades, fomos pegos de surpresa com o fechamento repentino do restaurante”, disse a diretora de Planejamento e Administração da UTFPR, Claudete Maria da Silva. Por ser um órgão público, a contratação de outra empresa só pode ser feita por concorrência pública, que está marcada para o próximo dia 6 de maio. “Por já suspeitar que algo assim pudesse ocorrer, a gente já estava com o processo de licitação em trâmite”, explica Claudete.

Se todo o processo licitatório (modalidade pregão) transcorrer dentro da normalidade, a expectativa da diretora é que o RU possa ser reaberto até o dia 20 de maio. Enquanto isso, alunos que utilizavam o restaurante pagando R$ 3,50 por refeição (servidores pagam R$ 6,10) têm que arrumar outra forma de alimentar-se. Acadêmicos beneficiados com auxílio estudantil têm direito a alimentação gratuita.

“Tá muito complicado pra gente, principalmente porque fomos pegos de surpresa, quase no fim do mês e ninguém se preparou para ter gastos acima do previsto com alimentação”, reclama a acadêmica de Engenharia Ambiental, Vitória Guerra, de Presidente Prudente (SP). A colega dela, Joice dos Santos, mora em Campo Mourão, mas também foi prejudicada com o fechamento do RU. “A gente estuda o dia todo e não dá tempo de ir pra casa. Aí o jeito é trazer marmita”, explicou.

Segundo a diretora Claudete, o RU serve em média 1.000 refeições por dia, o que corresponde a quase metade do número de alunos da instituição. Além de almoço e jantar de segunda a sexta-feira, também é servido almoço aos sábados. Para garantir os preços acessíveis a alunos e servidores, parte da despesa com alimentação é custeada pela UTFPR.

 

As acadêmicas Vitória e Joice, prejudicadas com o fechamento

 

“Pelo menos temporariamente ficaremos sem comercialização de alimentos dentro do campus”, lamenta Claudete, ao reforçar que não é permitida a venda interna de produtos alimentícios sem o devido processo legal. A localização do campus (cerca de um quilômetro da área urbana às margens da rodovia BR 369), torna a situação ainda mais difícil para os estudantes e servidores.

A reportagem da TRIBUNA tentou contato com a empresa Prato Certo, pelo telefone que consta na internet, mas ninguém atendeu as chamadas. O endereço eletrônico também está fora do ar. Enquanto uma nova empresa não é contratada, vendedores ambulantes, com trailers e carrinhos, aumentam o faturamento em frente ao campus.