Campo Mourão

De sacolas a guarda-roupas, mutirão recolhe grande quantidade de lixo do rio do Campo

O mutirão envolveu cerca de 50 pessoas.
(Foto: Walter Pereira/Tribuna do Interior)

Uma força-tarefa composta por moradores do jardim Araucária, Tiro de Guerra, agentes de endemias do município, entre outros parceiros, recolheu na manhã deste sábado (14) uma grande quantidade de lixos de dentro do rio do Campo (que abastece a cidade de água) e de suas margens. O mutirão envolveu cerca de 50 pessoas e contou com o apoio de três caiaques que percorreram um trajeto de cerca de 3 quilômetros pelo leito do rio, recolhendo vários tipos de lixos. A iniciativa é da Associação de Moradores do jardim Araucária, que tem como presidente Cleverson Vieira Andreiow.

No local havia todo tipo de material inservível, como armários, sofás, camas, guarda roupas, pneus, carcaças de televisão, entulhos, rodas de carro, latas de tintas vazias, e até um patinete. A ação foi realizada nos quatro cantos do bairro. Todo lixo foi transportado para uma área próximo à ponte de acesso do Jardim Araucária e será recolhido pela secretaria municipal de Obras e Meio Ambiente, que dará a destinação final. “É uma situação lamentável”, comentou Andreiow. “Até procuramos nos armários se não tinha alguma conta de água ou luz para agradecer a pessoa que jogou no rio”, ironizou.

Andreiow pediu a população do bairro que tenha consciência do descarte correto de lixos, ele lembrou que boa parte dos resíduos coletados, são lixos descartados irregularmente por moradores nas ruas que vão parar dentro do rio através das galerias pluviais. “Quero agradecer o pessoal do Tiro de Guerra, que disponibilizou 20 homens para fazer parte da ação, aos agentes de endemias, e um agradecimento especial ao senhor Dirceu Wander Brook, que fez a doação das lanças para recolher os materiais de dentro do rio e todos que estiveram envolvidos”, ressaltou.

Ele informou que foram recolhidos mais de 150 sacos de lixo, entre 6 guarda roupas; duas camas, 5 televisores, 10 pneus, 10 rodas de ferro de carro, entre outros objetos inservíveis. “As pessoas infelizmente não fazem a destinação correta, a gente andando nos fundo de vales do bairro encontramos muita grama cortada na casa do morador e o fundo de vale cheio de grama. Queria pedir ao morador para ensacar essa grama que o caminhão da coleta leva”, frisou.

O presidente lembrou que as ações de limpeza pelos moradores no bairro acontecem frequentemente. No entanto, esta foi a primeira vez que o lixo foi recolhido também do leito do rio. Na ação, foram instaladas duas barreiras de contenção, uma próxima a ponte do Jardim Araucária e outra na ponte do jardim Botânica, que ficarão permanentemente no rio para impedir a passagem de lixo.