Campo Mourão

Denúncias da população são fundamentais no combate ao crime

["Tenente Duarte, do 11\u00ba BPM, lembra que seguran\u00e7a p\u00fablica \u00e9 responsabilidade de todos."]

Na segunda-feira passada, dia 6 de maio, o comerciante Valdenir Conti Junior foi morto a tiros por um assaltante que entrou no estabelecimento dele em plena luz do dia, em Campo Mourão. Câmeras de segurança registraram a ação e a fuga do homem na garupa de uma moto. Em pouco mais de uma hora, a dupla já estava presa pela Polícia Militar.

Esse foi um dos vários crimes em que os culpados foram encontrados e presos graças a denúncias que a PM recebe. “Moradores do Jardim Tropical, que fica do outro lado da cidade, ficaram sabendo do crime contra o comerciante pelas redes sociais e ao verem que uma moto com as mesmas características chegou rapidamente e entrou em uma residência, nos avisaram, fomos até lá e descobrimos os autores”, relata o tenente Duarte, do 11º BPM.

Ele ressalta a importância da colaboração da sociedade na elucidação de vários tipos de crime. “A própria Constituição prevê que a segurança pública é dever do Estado, mas responsabilidade de todos”, acrescenta. Ele enfatiza que quando a comunidade atua como posto de observação, a PM passa a ter conhecimento de particularidades importantes para a ação policial. “Quando as pessoas denunciam movimentação suspeita, a gente constrói uma linha do tempo no Disque Denúncias, que vai caracterizando que aquele local pode ser um ponto de tráfico, um esconderijo ou algo parecido”, reforça.

Segundo ele, em duas semanas pelo menos três pontos de tráfico foram derrubados e traficantes presos graças a denúncias no 190 ou 181, que são os principais canais de comunicação com a PM. “Em uma das ocorrências desbancamos um ponto conhecido de tráfico e graças a informações anônimas que fomos recebendo, enquadramos o indivíduo como traficante e não como usuário”, relata o policial.

Também foi por denúncias que policiais descobriram um ponto de desmanche de motocicletas furtadas na área central, onde um adolescente de 14 anos estava envolvido. “Há casos em que a vítima ou mesmo testemunha de um furto ou roubo acompanha o deslocamento do criminoso a vai avisando a Polícia”, conta.

O tenente salienta que é garantido o anonimato no caso de denúncias de crimes. “Casos como perturbação do sossego ou furto a residência a gente busca o contato para dar o retorno. Mas situações em que está ocorrendo o crime por vezes nem é perguntado porque a gente entende que naquele momento a identificação é o menor fator de importância. Quem não quer se identificar pode ficar tranquilo”, assegura.

Segundo o tenente, existem várias ferramentas que, se usadas corretamente, são importantes aliadas no combate a criminalidade. Uma delas são as redes sociais. “No caso do latrocínio ao mercado no Jardim Araucária, a celeridade com que circularam as informações pelas redes permitiu que vizinhos soubessem da ocorrência, o tipo de veículo usado no crime e características dos autores, o que facilitou nossa ação”, observa o policial.

Além do 190, o Disque Denúncia 181 também coleta em âmbito oficial as denúncias anônimas de todos os tipos de crimes, não apenas contra o tráfico de drogas. Estas denúncias são analisadas e encaminhadas aos diversos órgãos policiais, obedecendo um canal técnico, critérios e metodologia estabelecidos pela comunidade de inteligência dos órgãos policiais que atuam no Estado. Além da atuação policial, a utilização destes dados possibilita o planejamento de políticas de Segurança Pública.