Política

Eduardo Bolsonaro será 'vitrine para o Brasil', diz presidente

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta Sexta-feira (19) achar muito difícil que os Estados Unidos neguem a indicação do seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para a embaixada brasileira em Washington. Ele afirmou que o filho irá para "trabalhar" e ser uma "vitrine" para o Brasil.

"Ele vai ser vitrine. Acha que eu ia botar uma pessoa que não tivesse competência para exercer uma nobre missão, como essa? O meu filho está indo para trabalhar nos EUA, ele tem um relacionamento com vários países", disse.

Questionado sobre a demora para formalizar a indicação e enviá-la ao Senado, Bolsonaro afirmou que aguardará a consulta ao governo norte-americano. O Brasil precisa enviar aos Estados Unidos o chamado pedido de agrément, que é uma consulta ao país sobre a indicação e, normalmente, é feito de maneira sigilosa para evitar constrangimentos em caso de recusa do nome indicado.

"Duvido, acho muito difícil ter um negativo por parte dos EUA, e ele vai ser o nosso cartão de visitas. Sabe da tremenda responsabilidade que terá pela frente. Havendo uma resposta dos Estados Unidos, a gente comunica o Senado para que seja marcada a data da sabatina", disse.

Bolsonaro admitiu que já conversou com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), sobre a questão. Perguntado sobre a expectativa da aprovação de Eduardo pelos senadores, o presidente da República afirmou que "entra em campo para ganhar o jogo". "Acho que o Senado vai fazer uma boa sabatina e tenho certeza que seja aprovado. Agora, talvez haja o viés político por parte de alguns, eu espero que ele seja aprovado", disse.