Campo Mourão

Em nota, advogado esclarece envolvimento de major da PM de Campo Mourão em operação da PF

O advogado do major aposentado de Campo Mourão, identificado pelas iniciais N.R., André Luiz Carraro Hernandes, encaminhou nota de esclarecimento neste domingo (28), ao jornal Tribuna do Interior, em relação a notícia veiculada neste sábado (26) pelo jornal, envolvendo o major. De acordo com Hernandes, o policial não foi preso pela Polícia Federal, mas sim teria sido encaminhado à delegacia de Guaíra após seu próprio pedido, pois no momento da abordagem pelos federais estava sem documentos de uma arma de sua propriedade.

O advogado afirmou que ‘os fatos não condizem com o noticiado pela imprensa’, sendo que o major é proprietário de uma residência no Porto Yara, município de Altônia, onde pratica pesca amadora e enquanto estava em deslocamento para a cidade para buscar utensílios foi abordado por policiais federais que estavam realizando uma operação em combate ao contrabando. “O encaminhamento do mesmo até a Delegacia de Polícia Federal na cidade de Guaíra (PR) se deu a seu próprio pedido pois no momento da abordagem estava sem os documentos do armamento de sua propriedade”, ressaltou o advogado. Leia abaixo a nota na íntegra encaminhada ao jornal.

Nota de esclarecimento

A defesa do major aposentado, N. R., vem por meio desta esclarecer sobre os fatos noticiados, que o mesmo não foi autuado (PRESO OU DETIDO) por qualquer ilícito pela Polícia Federal. Os fatos não condizem com o noticiado pela imprensa, sendo que o major é proprietário de uma residência no Porto Yara, município de Altônia, onde pratica pesca amadora e enquanto estava em deslocamento para a cidade para buscar utensílios foi abordado por policiais federais que estavam realizando a operação em combate ao contrabando.

O encaminhamento do mesmo até a Delegacia de Polícia Federal na cidade de Guaíra (PR) se deu a seu próprio pedido pois no momento da abordagem estava sem os documentos do armamento de sua propriedade, a qual se trata de uma pistola adquirida diretamente da empresa Taurus, há mais de 15 anos e registrada em seu nome.

Ao solicitar a permissão para buscar a documentação não houve concordância dos agentes federais, pelo que então o próprio major, para evitar transtorno no desenvolvimento do serviço referente à operação policial, solicitou então que fossem até a Delegacia, quando um amigo que estava participando da pescaria buscou o documento e encaminhou até a sede da Polícia Federal.

Após a apresentação da documentação, não tendo sido verificado nenhum ilícito, o major foi devidamente liberado pela autoridade policial. Importante destacar que o major possui ótimas referencias dentro da corporação da Polícia Militar, sempre sendo policial de respeito e exemplo perante os demais, não tendo fatos que desabonem sua conduta.

A presente nota de esclarecimento visa corrigir eventual equívoco na notícia, haja vista que não houve qualquer relação do mesmo com prática de ilícitos praticados por terceiros, salientando também que não era alvo da operação desencadeada pela Polícia Federal.

Campo Mourão, 28 de outubro de 2018.

André Luiz Carraro Hernandes