Região

Emater promove curso de manejo integrado de pragas e doenças

O curso foi dividido entre aulas teóricas e praticas.
Uma turma de 15 produtores rurais participou do curso

Buscando apoiar a agricultura familiar e levar informações e tecnologias aos produtores, o Instituto Emater de Boa Esperança realizou um curso de Manejo Integrado de Pragas (MIP) no município em parceria com a prefeitura e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). A capacitação teve a participação de 15 pequenos produtores rurais da cidade.

O curso foi dividido entre aulas teóricas e praticas, desde a implantação até a colheita da soja, onde os participantes, divididos em grupos, acompanharam suas próprias lavouras. No final do curso, todos se reuniram com os resultados planilhados e cada grupo expôs seus resultados e experiência com a técnica.

De acordo com o responsável pela Emater de Boa Esperança, Gilson Martins, o MIP utiliza os próprios organismos presentes na lavoura como ácaros, aranhas, entre outros, para combater as pragas que trazem prejuízo econômico ao produtor, como lagartas, percevejos e outros insetos.

“Ao utilizar os próprios inimigos naturais para combater essas pragas, o produtor reduz as aplicações de inseticida, proporcionando mais economia”, falou Martins. O grupo avaliou o curso como ‘bom’. A pretensão dos produtores é seguir com o manejo integrado de pragas em suas propriedades, porque além de reduzir o numero de aplicações de agrotóxicos, contribuem para sua saúde e o meio ambiente.

Cenário

Ainda de acordo com o Instituto Emater, o atual cenário que vem evoluindo - intempéries climáticas e ataque severos de pragas e doenças- está dificultando a agricultura. Muitas pragas, inclusive já tem se tornado resistentes ao manejo convencional com agrotóxicos, além da pouca eficiência e opções de produtos, o que vem acarretando em um custo elevado da produção. Exemplo são os ataques severos de percevejos, na soja e milho safrinha. Neste último o produtor tem feito aplicações em media a cada 4 ou 5 dias.