Região

Iretama implanta o “Horta Suspensa”

Ideia inicial é atingir 50 famílias do conjunto João de Barro.
Reunião realizada na comunidade para apresentação do projeto aos moradores.

O município de Iretama, distante 66 quilômetros de Campo Mourão implantou o programa “Horta Suspensa”. O projeto, desenvolvido em parceria com as secretarias de Educação, Saúde, Agricultura, Habitação e Meio Ambiente, está funcionando inicialmente apenas no Conjunto Habitacional João de Barro, mas a ideia é expandir para o restante da cidade. De acordo com a educadora ambiental, Tatiana Ferri Ribeiro, uma das idealizadoras da proposta, as hortas são feitas pelos moradores da comunidade a partir de recicláveis, como garrafas pet, canos de PVC, e pneus inservíveis, materiais geralmente descartados irregularmente no meio ambiente.

Segundo Tatiana, além de ser uma alternativa às famílias mais carentes, a hortas sustentáveis irão possibilitar o cultivo de hortaliças obedecendo regras básicas de sanidade, e despertar nos moradores a consciência ambiental. “O objetivo, além de oferecer uma alimentação saudável, é proporcionar a estes moradores uma melhor qualidade de vida, desenvolvendo neles a educação ambiental”, ressaltou.

Tatiana informou que muitas famílias do conjunto vinham cultivando hortaliças próximo a fossas sépticas correndo o risco de contaminar os alimentos. “Muitas dessas fossas são rasas e nas épocas de chuva transbordam entrando em contato direto com as hortas”, frisou. O bairro não é coberto por rede de esgoto tratada.

Segundo ela, com as hortas suspensas, as verduras não ficam em contato direto com a terra, ficando protegidas de contaminações. Ou seja, além de um alimento saudável, muitos moradores que não teriam condições de compra, estão tendo agora a oportunidade de consumir verduras frescas de qualidade cultivadas por eles próprios. Tatiana disse que a meta do projeto é atingir no mínimo 50 famílias da comunidade.

A ambientalista comentou que a primeira reunião com as famílias do conjunto para apresentação do projeto ocorreu no dia 1º deste mês. Segundo ela, os moradores demonstraram interesse pelo programa. “Na ocasião, eles solicitaram que o projeto Troca Verde [programa que troca recicláveis por verduras] fosse feito no bairro também pela dificuldade de se locomoverem até o centro”, falou.

Além de contribuir com a preservação do meio ambiente, as hortas suspensas são fáceis e práticas de serem feitas, além disso, não precisam de muito espaço, já que podem ficar içadas em paredes ou muros. Tatiana explicou que o município está produzindo adubo no centro comunitário para entregar às famílias onde está acontecendo o projeto.

Ela acrescentou que o projeto prevê ainda palestras sobre vários temas como: educação ambiental aos moradores, orientações sobre doenças causadas pela utilização de água contaminada; incentivo do cultivo de hortas orgânicas domiciliares; destinação adequada do lixo produzido pela comunidade e principalmente sua reutilização, despertar no cidadão a consciência ecológica de preservação e respeito pela natureza, através do reaproveitamento de matéria orgânica; e adoção de atitudes ecologicamente corretas por parte dos moradores.

O que são as hortas suspensas?

As hortas suspensas, assim como o próprio nome sugere, são hortas que ficam presas a paredes. Estas hortas são pequenas, normalmente feitas com garrafa pet, entre outros materiais recicláveis, sendo, portanto 100% sustentável. Normalmente é cultivado um tipo de alimento ou planta em cada garrafa, por exemplo, em uma garrafa pode ser plantada alface, em outra, repolho e assim sucessivamente, conforme o número de cultivos planejados. Consequentemente, a horta em si é formada por várias garrafas.