Economia

Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda com montadoras e dado da Alemanha

Os mercados acionários europeus fecharam majoritariamente em queda nesta segunda-feira, 24, com Londres como a única bolsa operando no campo positivo. Grandes perdas foram verificadas entre as montadoras, desde que a alemã Daimler diminuiu a perspectiva de ganhos em 2019. A queda no índice de confiança das empresas na Alemanha também recuou, prejudicando o apetite a risco, verificado nas bolsas nova-iorquinas. O índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 0,16%, aos 381,10 pontos.

No domingo, 23, a montadora Daimler anunciou cortes na previsão de ganhos para 2019, o que derrubou as ações da empresa em 3,75%. A medida foi justificada por aumentos em despesas relacionadas a processos governamentais e por processos envolvendo veículos a diesel da Mercedes-Benz.

O movimento de queda foi seguido pela BMW e pela Volkswagen, que perderam 1,24% e 0,12%, respectivamente.

Ainda na Alemanha, a divulgação do índice de sentimento das empresas do país, que caiu de 97,9 pontos em maio para 97,4 pontos em junho, atingiu o menor nível desde novembro de 2014, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira pelo instituto alemão Ifo, o que também pesou nos negócios.

Frente a isso, na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX 30 caiu 0,53%, aos 12.274,57 pontos.

A queda nas montadoras também foi verificada em Paris, onde o índice CAC 40 recuou 0,12%, para 5.521,71 pontos. Por lá, a Renault caiu 1,00% e a Peugeot, 1,34%.

Do outro lado do Canal da Mancha, a Bolsa de Londres não seguiu a tendência europeia e encerrou em alta de 0,12%, aos 7.416,69 pontos, puxada para cima por altas de companhias de seguro. Por lá, o processo de escolha do novo primeiro-ministro britânico e a saída do Reino Unido da União Europeia ainda está no radar.

Tensões com a União Europeia também voltam ao noticiário da Itália, onde o índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, perdeu 0,49%, para 21.284,10 pontos, com quedas verificadas nos papéis da Telecom Itália (-2,18%) e da Enel (-0,11%).

Voltaram ao radar os riscos que do não cumprimento da meta fiscal e as possíveis sanções que podem ser aplicadas sobre o país, bem como não foram bem interpretadas no mercado as propostas de algo "que possa se parecer com uma moeda paralela", de acordo com relatório assinado pelo economista Miguel Jiménez, da BBVA.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex 35 recuou 0,38%, aos 9.192,50 pontos; já em Lisboa, a queda do PSI 20 foi de 0,81%, para 5.084,74 pontos.