Campo Mourão

Ministério da Saúde recredencia serviço de oncologia da Santa Casa

O setor da oncologia da Santa Casa presta cerca de 1,5 mil atendimentos mensais
A portaria permitindo a continuidade dos atendimentos foi publicada no Diário Oficial da União do último dia 12 (Foto: Divulgação)

O Ministério da Saúde (MS) autorizou o recredenciamento da oncologia do hospital Santa Casa de Campo Mourão. A portaria permitindo a continuidade dos atendimentos foi publicada no Diário Oficial da União do último dia 12. A diretoria do hospital convocou uma coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (19) para comentar a reabilitação do serviço.

De acordo com o presidente da Santa Casa, Pedro Baer, o recredenciamento é uma conquista bastante importante ao hospital por se tratar de um serviço de alta complexidade, cujos custos são cobertos pelo SUS (Sistema Único de Saúde). “Ou seja, não temos déficit no serviço de alta complexidade da oncologia”, ressaltou. Segundo ele, a manutenção do serviço vai dar um ‘fôlego a mais para a Santa Casa’.

De acordo com informações repassadas pelo hospital, o setor da oncologia da Santa Casa presta cerca de 1,5 mil atendimentos mensais, porém tem capacidade de triplicar o volume. O recredenciamento não tem um prazo de validade definido e o hospital é auditado anualmente para reavaliação do serviço.

A secretária da Saúde de Campo Mourão, Rosimeire do Carmo Martelo, informou que a Santa Casa foi auditada em 2017. “Às vezes os funcionários nem sabiam que estavam sendo auditados”, falou. Entre os requisitos, foram avaliados prontuários de pacientes, tempo de espera para atendimento, quantidade de exames e cirurgias, entre outros pontos.

O levantamento foi feito por uma equipe da Regional da Saúde. “Diante disso o Estado monta a rede de oncologia no Paraná e dentro dessa rede a Santa Casa continuou ainda como Unacom (Unidade de Assistência de Alta Complexidade), sendo reabilitada para continuar prestando serviços na área de oncologia”, explicou. Segundo ela, o hospital teve que fazer várias readequações durante o ano para continuar com o serviço. Leia a reportagem completa na versão impressa da TRIBUNA deste sábado.