Campo Mourão

O Fusca e o legado de Milton Luiz Pereira

Marcus explica que desde a chegada do fusca, o pai jamais comprou outro carro.

Aparentemente um Fusca comum a tantos outros em Curitiba. Talvez a conservação da pintura, dos seus bancos claros, faróis e acessórios seja a diferença. Ou ainda, a placa preta demonstrando a sua quase inteira originalidade. Bom, para a população da capital o “fuca” passa despercebido. Mas aos mourãoenses, não. O Volkswagem ano 67 tem tudo a ver com Campo Mourão. Ele representa a passagem do advogado, juiz e ministro Milton Luiz Pereira à prefeitura da cidade. Pelos bons serviços prestados ao município, o ex-prefeito foi presenteado com o veículo pela própria população. Isso aconteceu em 29 de abril de 1967. Restando poucos dias para o fato completar 50 anos, o “fucão” voltará nos próximos dias à cidade. A ideia surgiu numa conversa entre o historiador Jair Elias e o filho de Milton Luiz Pereira, Marcus Vinícius Tadeu Pereira, agora responsável pelo carro.

Na época, Milton, já advogado, deixou a profissão de lado para tornar-se prefeito de Campo Mourão entre os anos 64 e 67. Na época, o salário do chefe do executivo era apenas dois salários mínimos. Então, para não passar sufoco financeiro, Milton vendeu um Ford que havia comprado. O dinheiro lhe daria um suporte, pelo menos no início do mandato. A pé, o prefeito foi reflexo da honestidade e transparência de uma época. Na década de 60, ele fez asfalto no centro, construiu o terminal rodoviário e a biblioteca municipal. Como muito fez, a população decidiu retribuir. Mesmo não aceitando presentes de ninguém, Milton foi pressionado a receber o Fusca. Coordenado por Munir Karan, um livro ouro percorreu a cidade arrecadando contribuições. “Eles davam de tudo. Tinha dinheiro, jóias, relógios e até uma galinha viva”, diz Marcus.

Então, em abril de 67 reuniu-se toda a doação e comprou-se o famoso Fusca azul. No dia 29 daquele mês, uma multidão levou o carro até a frente da prefeitura, quando Milton teve que aceitar o presente. “Ele não aceitava nada. Ele era turrão nesse ponto. Mas do jeito que foi aquilo ele não teve saída”, disse o filho. No dia da entrega o carro teve que ser empurrado até a casa do prefeito. Pensou-se que faltava gasolina, mas na verdade faltava uma peça do motor.

Marcus explica que desde a chegada do fusca, o pai jamais comprou outro carro. Certa vez, em 1999, Milton foi convidado para palestrar no fórum de Curitiba. Milton então foi com o “fuca”. Ao chegar no estacionamento do fórum, o segurança implicou. Disse que ali só ficavam carros oficiais e que aquele Fusca não poderia ali permanecer. Milton então desceu e explicou que iria palestrar. Não adiantou. Então desceram do prédio as ordens de que aquele “fuca” deveria ficar ali sim. Pois era nada mais que o principal homem da noite. Hoje, o veículo está com aproximadamente 260 mil quilômetros rodados e carrega em seu interior uma mala antiga do ex-prefeito. Ainda na década de 60, após advogar para uma pessoa de Campo Mourão, Milton foi pago com a mala. “A pessoa não tinha dinheiro, então deu a mala”, lembrou Marcus.

Milton foi prefeito a partir de janeiro de 64. Permaneceu até 67, mas deixou a prefeitura seis meses antes. Isso porque foi efetivado como juiz federal em Curitiba, até 1988. Depois disso foi Presidente do TRF em São Paulo, permanecendo no cargo até 1992. Em 1993 o ex-prefeito foi promovido a Ministro do STJ em Brasília, atuando até 2002. Mesmo distante das terras vermelhas de Campo Mourão ele jamais se esqueceu das pessoas daqui. Tanto é verdade que, segundo Marcus, negava muitos convites Brasil a fora. Mas quando se tratava de sua cidade, não abria mão. “Sempre que era convidado a ir até Campo Mourão ele dava um jeito”, disse.

Milton morreu em 15 de fevereiro de 2012, em Curitiba, vítima de câncer no pulmão. Morreu horas depois que sua esposa, Rizoleta, também com a mesma doença. Os dois, inclusive, ficaram juntos na UTI. Deixaram cinco filhos, Gisele, Gislene, Celso, Luciene e Marcus. A transparência e honestidade implantadas por ele enquanto prefeito de Campo Mourão jamais foram esquecidas. Tanto é que é lembrado até hoje. Marcus lembra que quando o pai deixou a cidade até acumulou dívidas. Afinal de contas ele ganhava bem mais como advogado do que como prefeito. O filho também carrega ensinamentos deixados pelo pai. “Ele lamentava fatos políticos de corrupção. Mas falava sobre isso apenas com a gente. Jamais teceu comentários enquanto juiz”, disse.

A vinda do Fusca a Campo Mourão nos próximos dias também tem como objetivo divulgar o Instituto Milton Luiz Pereira. Na verdade, um órgão criado por Marcus cujo foco principal é a educação. Já, há alguns anos ele vem arrecadando materiais para doação a creches da capital. Uma jovem sem recursos financeiros também é bolsista de Direito na PUC de Curitiba. “O Instituto paga suas mensalidades. A meta é aumentar as bolsas”, explicou Marcus. A intenção é que a população de Campo Mourão acredite na ideia e passe a colaborar com o órgão. 

Instituto Milton Luiz Pereira

É uma associação sem fins lucrativos, que visa realizar eventos para discussões de temas jurídicos e sociais, bem como promover ações sociais, mediante campanhas e convênios, unindo assim as duas grandes vocações (jurídica e humanista) de seu patrono, que lhe deu o nome. No segundo aniversário de seu falecimento, familiares e amigos do Ministro Milton decidiram continuar a sua obra e divulgar os seus princípios, por meio de uma associação que congregue todos aqueles que compartilhem seus ideais e creiam ser possível ajudar a construir uma sociedade mais justa e solidária.

De modo geral, podem se associar ao Instituto todos aqueles que querem ajudar a realizar as suas ações e objetivos. Amigos do Ministro Milton, profissionais do direito e de diversas outras áreas, voluntários que, da forma que podem, contribuem com os eventos e campanhas promovidas. Reúne personalidades eminentes em encontros, seminários, publicações e estudos jurídicos diversos; Por outro lado, usa dos frutos desses eventos para firmar convênios e campanhas para diversas ações sociais, como assistência jurídica, médica e odontológica gratuitas para necessitados, bolsas de estudo para crianças carentes, angariação de fundos para obras sociais. Saiba mais no site http://imlp.org.br