Esportes

Pacquiao dá 'aula' de boxe a Broner e pede revanche contra Mayweather

Aos 40 anos, Manny Pacquiao deu uma "aula" de boxe a Adrien Broner, 11 mais jovem, neste domingo, no ringue do MGM Hotel, em Las Vegas, e manteve o cinturão dos meio-médios, versão Associação Mundial de Boxe (AMB). O filipino venceu claramente por pontos, após 12 rounds, em decisão unânime dos três jurados: 116 a 112 (duas vezes) e 117 a 111.

"Eu mostrei que a idade não é um problema, pois toda minha vida cuidei do físico. Estou pronto para novos desafios e se Floyd Mayweather quiser, podemos fazer a segunda luta. Digam a ele para voltar ao ringue", disse Pacquiao, que também tem como possíveis adversários o norte-americano Keith Thurman e o porto-riquenho Danny Garcia.

Mayweather estava presente ao ginásio, mas não comentou o desafio. Pacquiao e Mayweather lutaram em 2015 e o americano foi o vencedor, por pontos, na luta mais "rica" da história do boxe, na qual US$ 600 milhões foram distribuídos aos pugilistas.

Broner estava revoltado após a luta. "Eu bati nele. Todos viram isso. Não concordo com o resultado", afirmou o boxeador, que nas últimas sete lutas, perdeu três, ganhou três e empatou outra.

O que se viu no ringue foi bem diferente da análise de Broner. Em uma forma física espetacular, Pacquiao relembrou o lutador protagonista de grandes batalhas neste século. Rápido, ágil, dominou o ringue desde o primeiro assalto, mostrou reflexos para esquivar do ataque do rival e ainda apresentou grande variedade de golpes, que atingiram muito bem a linha de cintura do americano.

O melhor momento da luta ocorreu no nono assalto, quando Pacquiao saiu bem de um ataque de Broner para acertar potente esquerda, que explodiu no rosto do adversário, que quase foi à lona. Com a vitória, filipino soma 61 triunfos, com sete derrotas e dois empates, enquanto o norte-americano perdeu pela quarta vez, após 38 lutas.