Região

Projeto conscientiza crianças e vira exemplo na Comcam

Crianças vêm aprendendo desde cedo a importância da reciclagem.

Os cerca de 1,5 mil estudantes das seis escolas da rede municipal de Peabiru vem levando muito a sério a preservação ambiental no município. Incentivados pelo projeto “Escola Eco-Cidadã”, os pequenos estão aprendendo desde cedo a importância do reaproveitamento dos materiais recicláveis e dando lição em muitos adultos. Como resultado, ganham as escolas, os alunos, os pais, a sociedade e, principalmente: o meio ambiente.

O projeto vinha sendo estudado pelo município desde 2017, mas entrou em prática efetivamente em junho deste ano. A ideia é ampliar a iniciativa também às escolas estaduais para atingir o maior número possível de pessoas envolvidas na ação. “O projeto visa principalmente a conscientização ambiental em todas as escolas da rede municipal”, falou o diretor de Proteção ao Meio Ambiente do município, Cleiton Aparecido da Silva.

Idealizadores do projeto: diretores de escolas com o secretario e diretor do Meio Ambiente do município

Pelo projeto são repassados conhecimentos aos alunos quanto à correta separação dos materiais recicláveis. Como consequência, a iniciativa reduz os custos ao município que paga para uma empresa terceirizada para fazer o transporte e destinação do lixo, já que o volume reduz; aumenta a geração de renda aos catadores de materiais recicláveis; e ainda preserva o meio ambiente.

A “Escola Eco-Cidadã” funciona da seguinte forma: o município distribuiu aos alunos, através do projeto, uma sacola de ráfia e uma vez por semana eles trazem os materiais de casa para as escolas que são armazenados em grandes bags e posteriormente transportados pela prefeitura a Associação de Catadores de Recicláveis.

Antes de a iniciativa entrar em prática, o município apresentou a ideia aos pais dos estudantes para um envolvimento maior no projeto. Também os alunos estudam diariamente sobre o tema dentro de sala de aula. Atrelado ao projeto, a prefeitura inicia nos próximos dias a coleta seletiva municipal. “Para nós os resultados têm sido muito positivos. Todo material trazido para as escolas até o momento são de ótima qualidade”, frisou o diretor de Meio ambiente.

Ele acrescentou que pela iniciativa, os alunos têm se tornando “fiscais” dos pais em casa no que se refere a correta separação dos materiais recicláveis. “São crianças que já vão crescer com essa consciência de preservação ambiental”, ressaltou.

Planeta pede socorro

O secretário de Meio Ambiente de Peabiru, Osmar Pereira, lembrou que a questão do lixo é um problema mundial. “O planeta pede socorro. Então tivemos essa ideia de envolver os alunos porque são eles que formam opiniões, mas para que o projeto tenha resultado efetivo, buscamos envolver também os pais destes estudantes”, frisou.

Segundo ele, a iniciativa irá contribuir para amenizar além de questões ambientais, também problemas sociais. Ele exemplificou que muitas pessoas vão até o depósito de lixo do município para garimpar materiais recicláveis sem qualquer proteção, ficando expostas a doenças. “Muitas vezes até crianças se submetem a essa situação. Com o projeto, vamos evitar este garimpo e ainda aumentar a renda dos catadores de recicláveis da cidade”, falou. O secretário pediu o envolvimento de toda a sociedade no projeto. “Cada um tem que fazer sua parte”, argumentou.

“Projeto é um sonho”, afirma diretora de escola

A diretora da escola municipal São José, Maria Eunice Radtke, afirmou que o projeto é um sonho no município. “É um projeto incrível, é um sonho e que Peabiru tenha constantemente este projeto funcionando porque a gente sabe da importância de uma cidade Eco-Cidadã, é uma cidade que pensa no futuro”, falou. Segundo ela, a iniciativa tem sido muito importante aos alunos para trabalhar a conscientização ambiental nos pequenos.

Maria comentou que a cidade necessitava há muito tempo de uma iniciativa como esta. Ela diz que percebeu um grande engajamento dos alunos por causa do envolvimento com os pais também. “Foi uma ideia que tivemos de pedir a presença dos pais nas reuniões pra que eles também se comprometessem com este projeto. Reciclagem hoje é tudo, é vida, é renovação”, exclamou.

A diretora comentou que as crianças chegam felizes com as sacolas com o material nas escolas. “Eles não desistem e continuam firmes trazendo as sacolinhas cheias toda semana. O mais legal é que a sacola não é muito grande e o lixo é leve, as crianças vêm felizes porque podem trazer”, observou.

Maria lembrou que o projeto recebe também o apoio de várias empresas e bancos da cidade. Na escola dirigida por ela, são 280 alunos envolvidos na ação. “Estamos fazendo um trabalho intensivo para que as crianças compreendam a fundo o valor a importância da reciclagem. Foi feito também um projeto na semana do meio ambiente em que eles brincaram de passa ou repassa com torta no rosto na praça, mas tudo com conteúdos bem elaborados a respeito da necessidade da reciclagem e das melhorias que vai trazer para a nossa cidade”, falou.

Catadores de recicláveis querem dobrar renda com a iniciativa

Quem também vê o “Escola Eco-Cidadã” com bons olhos, são os catadores de materiais recicláveis da cidade. Os trabalhadores esperam dobrar a renda com a atividade após a implantação do projeto, conforme a presidente da Associação dos Amigos Recicladores de Peabiru, Vera Lúcia Freitas Batista, 44. “O projeto está sendo uma benção para nós”, avaliou.

Vera tem a atividade como única fonte de renda. Ela informou que consegue arrecadar cerca e R$ 800,00 por mês com o trabalho, mas com o projeto espera dobrar este valor já que a quantidade de materiais coletada aumentou significativamente. “Além do aumento significativo, a qualidade é muito boa”, observou.

A associação conta atualmente com pelo menos oito catadores de recicláveis. São famílias que dependem exclusivamente da renda da venda destes materiais. A estimativa dos organizadores do projeto é que desde o início da atividade já tenham sido coletados aproximadamente 1,5 mil quilos de recicláveis. “Estamos torcendo para que o projeto crie raízes no município e que a quantidade de materiais coletada cresça cada vez mais”, ressaltou Vera.

A Associação

Desde o início de 2017 foram feitas várias capacitações com os coletores de materiais recicláveis que trabalhavam informalmente no município. Porém no final de 2017, com apoio do Governo do Estado, foi fundada a Associação dos Amigos Recicladores de Peabiru, que iniciou suas atividades.