Cotidiano

Petroleiros aderem a paralisação contra cortes na educação e atrasam jornada

Petroleiros aderiram às manifestações contra os cortes do governo no orçamento da educação, que acontecem em todo o País. No Estado de São Paulo, empregados das refinarias Replan e Recap atrasaram em cerca de duas horas o início da jornada de trabalho pela manhã, informou o Sindicato dos Petroleiros Unificados de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP). O movimento não teve efeito na produção.

"Os sindicatos da Federação Única dos Petroleiros (FUP) promoveram mobilizações em todo País, em protesto ao corte de investimentos na educação, à precarização das instituições públicas de ensino, à reforma da Previdência e às tentativas do governo de privatizar a Petrobras", afirmou o Sindipetro Unificado-SP em comunicado oficial.

As manifestações nas entradas da Replan e da Recap contaram com a participação de trabalhadores próprios e terceirizados da estatal, além de professores e representantes de outras categorias, segundo o sindicato.

A Petrobras, por meio de sua assessoria de imprensa, respondeu que "não houve paralisação ou qualquer impacto na produção das refinarias da Petrobras nesta quarta-feira".