Preso por Putin agora se diz alvo de veneno

O hospital que tratou no domingo o líder opositor russo Alexei Navalni o enviou de volta para a prisão ontem apesar da forte objeção de sua médica que afirma que ele aparentemente foi envenenado com um "agente tóxico". A denúncia surge em meio aos maiores protestos contra o Kremlin nos últimos anos.

Navalni levantou a possibilidade de ter sido o novo alvo de envenenamento no país em seu próprio blog. Ao se lembrar de casos envolvendo outros opositores, perguntou a si mesmo: "Será que também fui envenenado?".

"Alguém além dos carcereiros entrou na minha cela? Não acredito que os policiais tenham me envenenado, estavam mais chocados do que eu com minha aparência e com o que estava acontecendo comigo", escreveu Navalni.

O opositor foi internado no domingo, quando foi diagnosticado com uma "dermatite de contato". Mas sua médica pessoal, Anastasia Vasilieva, afirmou que o político tinha sido intoxicado com um "agente tóxico". Segundo Anastasia, a conclusão de que Navalni possa ter sido exposto a algum agente químico tem como base seus sintomas e a atitude "estranhamente nervosa" da equipe do hospital, que lhe permitiu ver seu paciente, mas não examiná-lo.

"Pegamos amostras do cabelo e da camiseta (de Navalni) para realizar uma análise independente, possivelmente na Europa", afirmou Anastasia à TV online RainTV.

O opositor negou ter qualquer tipo de alergia e afirmou que já foram solicitadas as gravações das câmeras de segurança de sua cela para ver se alguém teve acesso a seus pertences durante sua ausência. Ele relatou que seus olhos incharam, seu pescoço ficou avermelhado e suas pálpebras pareciam "bolas de pingue-pongue", entre outros sintomas.

O opositor contou que na tarde de sábado começou a sentir os primeiros sintomas, quando seus companheiros de cela o alertaram durante o passeio pelo pátio da prisão que seu pescoço estava avermelhado. Navalni, de 43 anos, principal opositor ao governo russo, foi mandado para a prisão na quarta-feira.

No sábado, uma manifestação da oposição para reivindicar eleições livres terminou com mais de 1,4 mil detidos em Moscou. Em 2017, Navalni foi tratado na Espanha por uma queimadura no olho, causada por um corante químico verde pulverizado em seu rosto.(Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.