Policial

Prisões por furto e receptação crescem 89% em CM, diz PM

Dados foram divulgados pelo 11º BPM.
PM fez 70 prisões por furtos e roubos no primeiro trimestre deste ano

O número de prisões pela Polícia Militar por furtos e receptação em Campo Mourão aumentou 89% no primeiro trimestre deste ano. Os números foram divulgados no início da tarde desta sexta-feira (12) pela assessoria de comunicação do 11º Batalhão da cidade. Conforme os dados, em 2018 foram feitas 37 prisões no período, aumentando para 70 em 2019. O maior registro de prisões pela PM foi em casos de receptação.

No ano passado foram 10 no primeiro trimestre, já neste ano foram 33. Já o número de prisões por roubos teve uma pequena queda entre janeiro e março, sendo registradas 7 prisões contra 10 no mesmo período do passado. Os números apresentados foram contabilizados pelo Departamento de Planejamento e Estatística do 11º Batalhão.

De acordo com o comandante do 11º Batalhão de Polícia Militar, Major Julio Cesar Vieira da Rosa, os criminosos que cometem furtos e roubos procuram oportunidades, ou seja, eles sempre procuram agir onde há mais facilidade. Segundo ele, o combate está diretamente ligado ao patrulhamento preventivo realizado pelas viaturas.

“Nós fazemos levantamentos constantes para verificar quais são as regiões mais afetadas pela ação destes indivíduos, justamente para que nossos policiais intensifiquem o patrulhamento e abordagens a possíveis suspeitos nestes locais que apresentam maior incidência de crimes”, destaca o major.

De acordo com ele, os números apresentados mostram que o trabalho da Polícia Militar em Campo Mourão tem dado bons resultados. “Muitos dos que cometem esses crimes são reincidentes. Muitas vezes o mesmo indivíduo está sendo encaminhado pela segunda ou terceira vez em um curto espaço de tempo, e pelo mesmo crime”, afirma.

O major acrescentou que nos últimos meses houve um aumento nas denúncias recebidas através do telefone 190, e isso também contribuiu para que os policiais recuperassem diversos produtos roubados ou furtados, e tirassem das ruas vários acusados de cometer crimes nestas modalidades.

“Esse aumento no número de detidos é resultado de um trabalho efetivo nas ruas. Apesar de contarmos com um número de policiais abaixo do previsto, nossos profissionais se dedicam ao máximo para que a população se sinta segura. É evidente que ainda temos algumas regiões da cidade que apresentam casos mais frequentes de furtos ou roubos, mas estamos trabalhando bastante para evitar esses crimes”, destacou Rosa.