Política

Richa defende desembarque do PSDB do governo Temer

O governador Beto Richa voltou a defender nesta terça-feira, 11, a independência do PSDB em relação ao governo do presidente Michel Temer (PMDB). A PGR (Procuradoria Geral da República) denunciou Temer por corrupção e a Câmara dos Deputados decidirá sobre a admissibilidade do pedido que, se aprovado, será encaminhado para julgamento pelo Superior Tribunal Federal. "O que defendo é a independência do partido, algo que já ocorre na prática", disse Richa que participou na noite de segunda-feira, 10, de encontro de lideranças tucanas em São Paulo.

Além de Richa, participaram da reunião 16 lideranças do partido, incluindo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; o prefeito de São Paulo, João Doria; os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) e mais quatro governadores: Geraldo Alckmin (SP), Marconi Perillo (GO), Pedro Taques (MT) e Reinaldo Azambuja (MS).

Beto Richa destacou que o PSDB não efetuou qualquer troca de deputados na CCJ como aconteceu com outros partidos da base do governo Temer. A comissão deve votar até a semana o pedido da PGR. "É só ver o que está acontecendo na CCJ. Os deputados do PSDB estão com total independência para votar, não haverá trocas. A expectativa é que de 6 votos a 1 ou no máximo, 5 votos a 2 em favor da admissibilidade. Já é uma prova da independência do partido em relação ao governo", disse.

Richa disse ainda que o "PSDB não está atrás de cargo" ao responder à imprensa se os tucanos vão entregar os cargos no governo Temer. "Lá atrás ficou claro que o PSDB não estava atrás de cargos, não indicou ninguém ao presidente para compor o ministério. O PSDB se achou responsável em garantir governabilidade e a votação das propostas, projetos e reformas fundamentais para o Brasil. Disso, não abrimos mão", disse.

Segundo Richa, o PSDB não age de forma demagógica "pensando na próxima eleição". "Somos muito responsáveis e o PSDB vai continuar contribuindo para os avanços que o Brasil precisa, de forma independente como sempre pautou em relação ao governo do presidente Temer", completou.