Paraná

Richa desafia Requião para debate

"Quero enfrentar Requião para um debate olho no olho como fiz na campanha passada", diz Richa.

O ex-governador Beto Richa (PSDB) desafiou o senador Roberto Requião (MDB) para um debate público sobre os resultados dos dois últimos governos do tucano com os governos do emedebista. "Quero fazer publicamente ao que destruiu o Paraná, o Roberto Requião, um desafio para comparar minha vida pessoal, minha biografia e meus mandatos na vida publica, com os dele", disse Richa ao encerrar sua entrevista nesta quarta-feira, 16, na Gazeta do Povo.

Na entrevista, Richa lembrou os números positivos dos últimos anos da Copel, Sanepar e Porto de Paranaguá, além das obras executadas por todo Estado, liberação de investimentos aos municípios, entre outras ações. "Estou fazendo publicamente um desafio, quero enfrentar você, Requião, para um debate olho no olho como fiz na campanha passada", disse ao se referir aos debates no período eleitoral de 2014, o qual Richa venceu Requião no primeiro turno das eleições.

"Você (Requião) tremeu na minha frente, porque não há como comparar os resultados pífios, negativos da sua gestão com a gestão que fazemos hoje no governo do Paraná", ressaltou.

Falcatruas

O debate, segundo Beto Richa, precisa incluir também o campo ético. "Ele me acusa, se aproveita de forma oportunista como ele sempre fez dessas denuncias vazias em relação a mim". O ex-governador lembrou que responde somente a dois processos, enquanto Requião, "saiu do governo com mais de um centena de processos".

Richa fez questão de lembrar alguns casos envolvendo Requião e parentes nomeados secretários. "Dólar no armário. Um armário recheado de dólares, as falcatruas de Paranaguá", disse se referindo ao período em que Eduardo Requião, irmão do ex-governador, foi superintendente dos Portos de Antonina e Paranaguá.

"A compra da TV laranja...", citou em referência ao outro irmão de Requião - Maurício Requião, que foi secretário estadual de Educação, quando estourou o escândalo das compras dos aparelhos. Richa recordou que na época, o então deputado Valdir Rossoni (PSDB), líder da Oposição na Assembleia Legislativa, foi até as Casas Bahia comparar os preços das TVs.

"Rossoni comprou uma unidade, mais barata do que a compra em escala no governo". A compra em escala, lembrou Richa, ocorreu com isenção de ICMS. "As TVS laranjas foram compradas de uma empresa, que foi a maior doadora de campanha de Requião, uma empresa que nunca tinha vendido televisão até então", destacou.

Delação

Beto Richa lembrou ainda que Requião foi citado na delação do ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, como beneficiário de doações feitas pela JBS ao MDB. "Estão aí as denúncias das ultimas operações que houve no Porto de Santos. A empresa diz que deu dinheiro para campanha dele, a JBS alega que deu mais de R$ 3,5 milhões para a campanha dele".

"Então, são inúmeras denúncias e não aceito que ele (Requião) venha apontar o seu dedo sujo na minha cara. Tenho uma vida ilibada, da minha família e do meu pai que também foi vitima das acusações mais covardes que ele fez na candidatura lá de 1990. Eu não aceito", ressaltou Beto Richa. E completou: "Se muitos tem medo de você, eu não tenho".