FAEP/SENAR-PR
Biogás e a responsabilidade ambiental no campo

O maior patrimônio do homem do campo é a sua terra. De lá que ele tira o sustento da família. É das propriedades rurais que sai o alimento que chega à mesa dos brasileiros e que é exportado para outros países, gerando riquezas para o Brasil. Produzir mais, mas com responsabilidade ambiental e social é uma preocupação constante do agricultor.

Prova disso é a busca por tecnologias para resolver uma questão que assola o produtor: a correta destinação de dejetos animais em sua propriedade. Projetos de biogás estão contribuindo para diminuir esse passivo no campo, dando uma alternativa de destinação para os resíduos, constituindo uma importante prática ambiental das propriedades rurais.

Por estar presente no dia a dia do produtor, a matéria-prima para o biogás é de fácil obtenção, sendo constantemente renovável. A reutilização de resíduos orgânicos contribui para a redução de gases na atmosfera e para a fertilidade do solo. Outra vantagem é a produção de biofertilizante, que pode ser usado na lavoura, gerando economia com insumos.

Se essas técnicas ainda são relativamente novas no Brasil, em outros países já são uma realidade há muito tempo. Para entender o atual estágio de aproveitamento de resíduos e produção da bioenergia na Europa, produtores e técnicos paranaenses estão visitando universidades, instituições de pesquisa e propriedades rurais na Alemanha, Áustria e Itália para conhecer o uso de bioenergia.

Essa troca de experiência também é fundamental para avançarmos na conversão de passivos ambientais em ativos energéticos. A demanda de energia no meio rural cresce a cada ano. O uso de biogestores no campo podem dar melhores condições de competitividade para o agronegócio, reduzindo custos energéticos aos produtores.

Além disso, podem diminuir a dependência da eletricidade oferecida pelas concessionárias de energia, evitando assim os riscos de interrupção no fornecimento, que podem causar prejuízos, principalmente aos criadores de aves.

Os produtores podem buscar apoio para a instalação de biogestores por meio do Programa ABC, que financia sistemas de tratamento de dejetos e resíduos oriundos da produção animal. Dento do ABC existe uma linha de crédito chamada Tratamento de Dejetos que prevê crédito para a implantação, manutenção e melhoramento de sistemas de tratamento de dejetos animais. Os equipamentos podem ser instalados em pequenas e médias propriedades rurais, inclusive.

A busca constante por práticas conservacionistas só demonstra como a agricultura é a principal responsável pela preservação ambiental no país.

Ágide Meneguette, presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR