José Eugênio Maciel
Quando estiver sozinho, fale com você

“Frequentemente tenho longas conversas comigo mesmo, e sou tão inteligente que algumas vezes não entendo uma palavra do que estou dizendo”.

Oscar Wilde

 

Sem que eu pare para pensar, a fim de começar a escrever, inicio conversa comigo, sozinho. Deixo fluir, tão naturalmente, que fico à vontade para puxar assunto com o meu eu. E o meu eu pega o assunto ou apresenta o dele.

Na maioria das vezes ficamos inteiramente a vontade para nossos bem construídos diálogos, asas que pousam ou levantam voos livres, leves, realmente imaginativos e imaginavelmente reais.

Não chega a ser sempre meditação, oração espiritual. Não são necessariamente diálogos a construírem conteúdos ou a partir deles a reflexão.

É conversa para e de um apenasmente falar com e do outro:

- “Olá, como vai, tudo bem?”

“Sim (ou tô indo), e você?”

São três situações básicas, quando os dois desejam e conseguem conversar; se um quer, mas o outro, não; e quando os dois não podem; ou não querem dialogar.

Fico confuso com a fusão do meu eu que fala comigo.

Intriga-me o divisor da minha pessoa com a pessoa minha.

Estar sozinho, ainda que só, não é solidão. Ela é o indivíduo na multidão, ambos sentindo não se pertencerem.

É preciso estar só para falar sozinho. Mas o ser sozinho não pressupõe falar solitariamente.

Se é bom conversar na ocasião em que o diálogo é apenas entre duas pessoas, imagine quando os dois sujeitos são única pessoa!

Conversar sozinho pode ser em voz alta, e, no silêncio de seu eu, você fale a encontrar eco.

De ser sussurro, confidências segredadas/segregadas:

Inferência/referência/conferência/interferência como prosa ou poesia.

Converso sem oralidade, diálogo brota da mente, vai ao coração, dele semeio o cérebro.

Sobre o que falo comigo? De mim, sobre o eu que comigo diz, condiz.

Converso comigo ideia a saber de mim, o que acho dela: Apensando pensamento.

Tudo agradável? Na troca de palavras entre mim e eu, debato, me bato, abato.

Tento que o eu me entenda e atenda o eu meu.

Falar sozinho é essencial, me vigora, revigora.

Desagradável é deixar meu eu falando sozinho, ou sair sem nada a dizer.

O caro leitor deve assim se sentir, texto inconcluso que o abandona aí.

Porém, no pífio esquivo, afirmo, não sou eu quem te abandona, é o texto de hoje.

O diz sozinho da Coluna, como se só os dois dialogassem, porque ninguém irá lê-los.

Fases de Fazer Frases (I)

Não sou contra o verso controverso. É o verso que é contra o que verso.

Fases de Fazer Frases (II)

Amor sem prática é flor de plástico regada cotidianamente.

Olhos, Vistos do Cotidiano (I)

Já são 3,6 milhões desde quando começou a cumprir prisão em Curitiba, 2018. O ex-presidente Lula custa 30 mil reais por mês. Um preso comum que não está comumente preso.

Olhos, Vistos do Cotidiano (II)

Estão sendo apurados supostos desvios na operação quadro-negro no Paraná, que chegam a 22 milhões de reais. Preso, solto, preso, solto, o ex-governador Beto Richa (PSDB) é apontado como o chefe dos desvios. Obras superfaturadas ou sequer edificadas são lições vergonhosas. Olhos, Vistos do Cotidiano (III)

O deputado federal pastor Marco Feliciano (Podemos) nem disfarçou, foi cínico ao confirmar que “gastou” 157 mil reais para tratar os dentes dele. Pagos pelo contribuinte. O curioso é que o assaltante público dinheirento na verdade teria gasto “só” 7 mil, o dentista dele deu recibo superfaturado. Caso ele levasse um bem-dado soco na boca, seria lesão ao patrimônio público?

E o povo a pastar sem dentes.

Fiapo e Ferpa

Corte palavras que cortam fere/ferem menos.

Reminiscências em Preto e Branco

Invocam-se passados, provocam-se lembranças.

José Eugênio Maciel | [email protected]