Campo Mourão

Campanha faz preventivos do câncer do colo de útero em Campo Mourão

As Unidades Básicas de Saúde estarão abertas das 8 às 17 horas neste sábado.

As Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Campo Mourão estarão abertas neste sábado (20) das 8 às 17 horas para uma campanha preventiva contra o câncer do colo do útero. O exame, também chamado de Papanicolau, é voltado a mulheres entre 25 e 64 anos que têm ou já tiveram atividade sexual. A ação faz parte da Campanha “Outubro Rosa”.

“Apesar de todo trabalho de conscientização e divulgação de que o câncer do colo do útero é o segundo mais comum entre as mulheres, muitas não buscam o exame preventivo”, lamenta a coordenadora geral do Programa de Estratégia de Saúde da Família, Suelen Lima.

Durante o ano passado foram atendidas 3.644 mulheres nas Unidades Básicas de Saúde de Campo Mourão. Suelen lembra que o diagnóstico precoce é importante, uma vez que na fase inicial a doença não apresenta sintomas. “O tratamento feito no início impede o desenvolvimento do câncer propriamente dito em quase 100%”, observa ela, ao acrescentar que o exame preventivo é indolor, simples e rápido.

Suelen pede que as mulheres levem documento de identidade, cartão SUS e comprovante de residência. Para garantir um melhor resultado, a mulher não deve ter relações sexuais (mesmo com camisinha) no dia anterior ao exame; evitar o uso de duchas, medicamentos vaginais e anticoncepcionais locais nas 48 horas anteriores à realização do exame. É importante também que a mulher não esteja menstruada, porque a presença de sangue pode alterar o resultado. Grávidas também podem submeter-se ao exame, sem prejuízo para sua saúde ou a do bebê.

O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos (chamados oncogênicos) do Papilomavírus Humano - HPV. A infecção genital por este vírus é muito frequente e não causa doença na maioria das vezes. Entretanto, em alguns casos, podem ocorrer alterações celulares que poderão evoluir para o câncer, Estas alterações das células são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou), e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso é importante a realização periódica deste exame.

É o terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e do colorretal, e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. Prova de que o país avançou na sua capacidade de realizar diagnóstico precoce é que na década de 1990, 70% dos casos diagnosticados eram da doença invasiva. Ou seja: o estágio mais agressivo da doença. Atualmente 44% dos casos são de lesão precursora do câncer, chamada in situ. Esse tipo de lesão é localizada.

O “Outubro Rosa”

A campanha “Outubro Rosa” foi lançada no início deste mês em toda a região. O objetivo é atender durante todo o mês de outubro o máximo possível de mulheres nos postos de saúde. A 11ª Regional de Saúde de Campo Mourão acompanha as atividades em toda a região e reforça a importância da participação e envolvimento dos municípios na mobilização.

A campanha tem como objetivo conscientizar as mulheres quanto a prevenção do câncer de mama e colo de útero. Neste ano, o tema da campanha é: "Prevenir é um ato de coragem. Lute pelo que te faz feliz". Para deixar a campanha ainda mais eficaz, a Regional está trabalhando este ano, sete temas para serem discutidos com o público feminino, como já aconteceu na campanha de 2017.

O primeiro refere-se à Violência contra a Mulher em suas diferentes fases de vida e condição de saúde, com ênfase na violência obstetrícia na gestação, período de parto e pós-parto; 2º - Planejamento familiar e anticoncepção; 3º - Auto reflexão dos profissionais da equipe de saúde sobre seu papel; 4º - Reflexão de como os serviços e profissionais de saúde podem minimizar prejuízos de quem sofreu violência e evitar fragilidades emocionais e outras insegurança que podem impactar negativamente na vida da vítima; 5º - Reflexão dos profissionais das equipes de saúde sobre taxa de mortalidade materna, infantil e fetal, e o papel da equipe na atenção materna infantil de pré-natal, período de parto e pós-parto; 6º - Empoderamento da mulher no SUS para escolha do tipo de parto; 7º - Tipo de parto no SUS: uma escolha ou imposição.