Região

Com quebra de safra, produtores iniciam colheita do milho na região

Colheita iniciou na região de Engenheiro beltrão, Ubiratã e Campina da Lagoa

Os produtores rurais iniciaram a colheita do milho safrinha na área de abrangência da Comcam. A retirada da safra do campo ainda está tímida na região, mas tende a se intensificar nas próximas semanas. Conforme o Departamento de Economia Rural (Deral) de Campo Mourão, órgão ligado à secretaria da Agricultura do Paraná, apenas cerca de 2% da área foram colhidas até o momento.

A colheita teve início nas cidades de Engenheiro Beltrão, Campina da Lagoa e Ubiratã, regiões onde o plantio foi realizado mais cedo. A colheita vai se intensificado conforme vai baixando a umidade do milho. De acordo com levantamento do Deral, as primeiras áreas colhidas já vêm apresentando quebra de produção, conforme informações repassadas pelos produtores.

“Como estas primeiras áreas foram semeadas mais cedo, ainda não foram tão afetadas pela estiagem. A quebra maior deverá ser registrada no milho plantado mais tarde”, comentou o economista do Deral Anderson Roberto dos Santos. Até o momento, 70% da área com milho estão no estágio de frutificação e 30% em maturação. A cultura já está fora do risco de geadas.

A área com milho na Comcam é de 325 mil hectares contra 370 em 2017. A estimativa inicial de produção era 1,8 milhão de toneladas, porém com a estiagem caiu para 1,5 milhão. A safra começou a enfrentar problemas desde o plantio que atrasou por conta da colheita da soja que terminou tardiamente. Quem plantou mais tarde teve prejuízos ainda maiores.

Na região, o período estiagem prolongada entre os meses de abril e maio afetou significativamente a safra de milho. O Deral contabiliza prejuízos de R$ 260 milhões com as perdas. A estimativa é que a safra tenha sofrido uma quebra de 28%. No Paraná, os prejuízos com a estiagem atingem R$ 1,34 bilhão. A estimativa do Deral é de uma produção de 36,8 milhões de toneladas, 12% menor que a anterior, que foi de 41,7 milhões. Conforme relatório do Deral, a colheita da safra de milho terá uma redução de 2,2 milhões de toneladas, que corresponde a uma perda de R$ 1,2 bilhão.

Preço do milho na safrinha

Santos lembra que o plantio da primeira safra, sobretudo de soja, acabou atrasando devido à estiagem e ao clima desfavorável no final do ano passado, impactando no calendário da colheita. Esse foi um dos motivos que acabou levando à redução de área do milho na safrinha.

Contudo, outra razão foi o baixo preço do milho durante a temporada 2016/17, o que levou muitos produtores a deixarem o cereal de lado nesta safra. “Agora o preço do milho deu uma reagida, e até mesmo a redução de área [de plantio] tem um impacto nisso. E não foi só o Paraná que reduziu, foi em todo o Brasil”, falou.

Ele exemplificou que neste mesmo período do ano passado, a saca de 60 quilos do cereal estava cotada a R$ 16,00 e que agora está R$ 29,50. Em relação à semana passada, o valor reduziu R$ 0,50, porém, o preço tende a se estabilizar com o avanço da colheita. “Mesmo como valor não agradando os produtores, o preço ainda está muito bom considerando a situação no ano passado”, argumentou.