Campo Mourão

Mesmo com chuvas, plantio da soja entra na reta final na Comcam

Mesmo com as chuvas dos últimos dias, o plantio de soja da safra 2018/19 na Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão (Comcam), atingiu a reta final nesta semana, informou nessa quarta-feira (24) o Departamento de Economia Rural (Deral), núcleo de Campo Mourão, órgão vinculado à Secretaria Estadual da Agricultura (Seab).

De acordo com o último boletim divulgado ontem pelo órgão, a semeadura da oleaginosa alcançou até o momento 90% dos 680 mil hectares na região. O plantio em relação ao ano passado está bastante adiantado na Comcam. “Se não fosse as chuvas das últimas semanas, os trabalhos já eram para estarem concluídos”, falou o técnico agropecuário da Seab, Luiz José Coelho.

Em relatório separado, o próprio Deral já havia destacado que precipitações acima da média têm atrapalhado os trabalhos de campo. Nos últimos dias as chuvas superaram o normal para esta época do ano em praticamente toda a região. Para próxima semana, espera-se que as precipitações fiquem abaixo do esperado.

Coelho ressaltou que apesar da paralisação do plantio, os trabalhos estão adiantados na região em relação a 2017, ano em que a semeadura foi bastante prejudicada devido a estiagem prolongada. Ele acredita que se o clima contribuir, em mais duas semanas os produtores rurais da região deverão concluir o plantio.

Apesar de as chuvas estarem reduzindo o ritmo do plantio, Coelho observou que as precipitações estão sendo benéficas para o desenvolvimento vegetativo da cultura. “A chuvas estão sendo ótimas para o desenvolvimento da soja. Apesar de chover quase toda semana, está havendo um intervalo bom de sol, o que está favorecendo”, explicou. De acordo com o técnico, a planta precisa de ensolação para um bom desenvolvimento.

Produção

De acordo com o Deral, este foi o início de plantio mais precoce em pelo menos 5 anos na região. Conforme estimativas, a produção da oleaginosa será de 2,5 milhões de toneladas na Comcam, volume 3% maior em relação a 2017, quando a região produziu 2,3 milhões. A área nesta safra se manteve a mesma em relação a 2017: 680 mil hectares. No ano passado, a seca e chuva durante a colheita contribuíram para a quebra de produção.

Em 2017, o plantio iniciou com quase um mês de atraso em decorrência da estiagem. A expectativa é que a semeadura seja concluída até a primeira quinzena de novembro. Segundo o Deral, os produtores estão plantando mais cedo com a intenção de adiantar também o plantio do milho na segunda safra, e assim escapar das geadas nos meses seguintes.

Os preços estão animando os produtores. A saca de 60 quilos do grão está sendo comercializada em média por R$ 74,00 valor 25% maior em relação ao mesmo período do ano passado.

Produção no Paraná

A estimativa de produção no Paraná é de 19,6 milhões de toneladas, um aumento de 2% com relação ao mesmo período do ano passado. A área plantada deverá ser de 5,4 milhões de hectares. Aproximadamente 25% da produção está comercializada, número que atende à média dos últimos três anos. A guerra comercial entre a China e os Estados Unidos é um dos fatores de influência nos preços.