Região

Novo período da dengue já tem 4 casos confirmados na região

As ações de Vigilância e combate ao mosquito prosseguem em toda a região pela 11ª Regional de Saúde.

De acordo com novo boletim epidemiológico publicado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a região da Comcam já tem quatro casos autóctones de dengue confirmados no novo período epidemiológico, que iniciou no dia 13 deste mês. Até o momento são 38 notificações.

As cidades com casos são Boa Esperança (1); Juranda (1); Nova Cantu (1); e Quinta do Sol (1). Durante o período sazonal monitorado entre 29 de julho de 2018 até 30 de julho deste ano- foram confirmados na região 948 casos, sendo 932 autóctones e 16 importados.

O chefe da 11ª Regional de Saúde, Eurivelton Wagner Siqueira, observou que os casos da doença continuam surgindo mesmo com o tempo seco e frio o que significa que a população não pode baixar a ‘guarda’ para o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, febre amarela, chikungunya, e zika vírus.

Segundo ele, as ações de Vigilância e combate ao mosquito prosseguem em toda a região pela 11ª Regional de Saúde que monitora o novo período de 2019/2020. “Os cuidados devem ser mantidos com a população redobrando a atenção quanto às medidas preventivas da dengue”, orientou, ao comentar que todos os possíveis criadouros do mosquito devem ser eliminados.

De acordo o boletim foram registrados 32 novos casos confirmados de dengue no Paraná, totalizando 75 registros neste novo período. Os números de ocorrências de notificações também aumentaram, 273 suspeitas foram registradas nesta semana, somando 856 no período desde o início do novo período epidemiológico.

O chefe da Regional de Saúde ressalta que a orientação é para que a população elimine todos os tipos de criadouros, como verificar o fechamento correto das caixas d´água e não deixar “respiros”; verificar também antenas parabólicas, grades e portões, troncos ocos de árvores, objetos que ficam acumulados nos quintais e terrenos baldios, além de ralos e vasos sanitários de residências que estão fechadas.

Os ovos do mosquito Aedes Aegypti permanecem vivos por até 450 dias e, no momento que encontram as condições ideais, como na mudança para a próxima estação, eclodem, se transformam em larvas e depois em mosquitos. A secretaria estadual de Saúde alerta para a possibilidade de aumento do número de casos de dengue neste novo ciclo. O risco é alto devido a circulação do novo sorotipo do vírus da dengue, o Den-2. Pessoas infectadas por subtipos diferentes em um período anterior podem evoluir para formas mais graves da dengue. Por isso é importante a eliminação dos criadouros.

Sintomas

Os sintomas iniciais das doenças são febre, de início abrupto, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, fraqueza e dor atrás dos olhos. Na dengue predominam a dor muscular e a febre alta; na chikungunya, predominam as dores nas articulações e também febre alta,e no zika vírus, a febre é baixa, com vermelhidão, coceira e erupções cutâneas com prurido.