Policial

Polícia Civil prende mulher acusada de encomendar morte da amiga em CM

Polícia prendeu três envolvidos no homicídio.
Acusada estava escondida em uma casa na cidade de Apucarana

A Polícia Civil de Campo Mourão prendeu na manhã desta sexta-feira (8), uma mulher de 30 anos acusada de ser mandante da morte da amiga, Elizangela Ramalho, 38, assassinada na madrugada do dia 9 de janeiro enquanto caminhava pela rua dos Pioneiros, no jardim Lar Paraná. Foi o primeiro homicídio do ano. Os dois executores do crime, de 22 e 27 anos, também já se encontram presos desde o dia 10 do mês passado. Com eles a polícia apreendeu uma pistola 380 e um revólver calibre 38, utilizados no assassinato.

De acordo com o delegado adjunto da 16ª Subdivisão Policial (SDP) de Campo Mourão, João Paulo Menuzzo Lauandos, que coordena as investigações sobre o homicídio, a acusada, que é proprietária de um salão de beleza no Lar Paraná, foi presa em uma residência na cidade de Apucarana, distante 146 quilômetros de Campo Mourão, onde estava escondida. “Já estávamos monitorando ela enquanto aguardávamos o mandado de prisão. Assim que a Justiça expediu o mandando deslocamos uma equipe para realizar sua prisão”, falou o delegado.

A mulher já havia sido ouvida pela Polícia Civil no mesmo dia do crime, mas como não havia provas suficientes que pudessem mantê-la presa, foi ouvida e liberada. Um dos autores do crime presos fez também um assalto a um posto de combustíveis no Lar Paraná um dia antes de matar Elizangela. Lauandos lembrou que os dois indivíduos foram presos em uma residência que pertence a suposta mandante. “São dois criminosos perigosos e têm uma vasta ficha criminal”, falou.

Os envolvidos no crime responderão por homicídio qualificado, cuja pena pode chegar até 30 anos de prisão. “Graças à rápida ação da polícia elucidamos este crime com os três envolvidos já presos à disposição da Justiça”, ressaltou o delegado.

DÍVIDA

De acordo com as investigações, a motivação do crime seria uma dívida de drogas de pouco mais de R$ 1 mil de Elizangela com a suposta mandante. Segundo a Polícia Civil, a vítima provavelmente era usuária, mas devia drogas e por isso foi executada. “As imagens mostram claramente que foi uma execução. Ela caminhava pela rua de madruga quando dois indivíduos friamente a mataram com tiros à queima roupa. Foi um crime chocante”, disse o delegado em recente entrevista.

A polícia encontrou fotos das duas juntas na rede social de Elizangela. Há informações também de que vítima frequentava o salão de beleza da suspeita. “Ela alegou que a dívida era por conta do salão de beleza, mas tudo indica que era por conta das drogas”, acredita o delegado.

A polícia apreendeu também o veículo Ford/Fiesta da suposta mandante após análise de imagens de câmeras de segurança. Há duas filmagens do homicídio, uma do momento da execução, em que os bandidos dispararam covardemente contra a vítima e em outro momento aparece um carro com as mesmas características do veiculo da amiga de Elizangela.

O CRIME

Elizangela Ramalho foi assassinada com três tiros na cabeça na madrugada de quarta-feira (9) na rua dos Pioneiros, esquina com a rua João Vecchi, no jardim Lar Paraná. De acordo com informações, a mulher foi sido vista momentos antes do crime caminhando pela ciclovia da Avenida John Kennedy. A vítima morreu no local, antes mesmo de receber os primeiros socorros.

Clique ou arraste para passar as fotos