Região

Produção de soja na Comcam supera média nacional, diz IBGE

Os resultados preliminares do Censo Agropecuário 2017 já foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão foram questionados 13.759 estabelecimentos agropecuários e aplicada uma metodologia para conhecer o perfil produtivo da região. O último Censo havia sido realizado no ano de 2006. Um dado curioso que o Censo/2017 revela é que a produção de soja na Comcam supera a média nacional.

De acordo com o IBGE, enquanto a produção média de soja por alqueire na safra 2016/2017 no Brasil foi de 137,32 sacas, na Comcam os produtores rurais colheram 149,53, o equivalente a 8,05% a mais. Conforme os dados, a produção agropecuária da região está concentrada em uma extensão de 1,035 milhão de hectares (ha).

Na safra 2016/2017, foi colhida na Comcam uma área total de 577.689 hectares de soja, o volume de produção de 2,1 milhões de toneladas. A produção no País foi de 103,7 milhões de toneladas em uma área de 30,4 milhões de hectares.

O município de Mamborê apresentou o maior território de plantio do grão: 55.339 hectares. As outras cidades com as maiores extensões são: Luiziana (45.602); Ubiratã (45.295); Campo Mourão (42.443); e Campina da Lagoa (32.692). Já os municípios com as menores áreas são Altamira do Paraná: 1.501 hectares e Corumbataí do Sul (3.031). Veja o número por município nas tabelas abaixo.

Se por um lado Mamborê foi o município com a maior extensão de plantio da soja na safra 2016/2017, a maior média de produção da oleaginosa ficou para a cidade de Quarto Centenário: 162,47 sacas por alqueire. Juranda tem a segunda melhor média de produção (156,91 sacas); seguido de Mamborê com 156,06. As menores produções foram registradas em lavouras de Barbosa Ferraz (133,37) e Araruna (133,70).

A coordenadora de sub-área do IBGE em Campo Mourão, Priscila de Moura Portela Bambini, atribui a boa produção regional de soja aos avanços tecnológicos no campo e a assistência técnica aos agricultores. “A região é também área de influência da Cooperativa Coamo, o que significa mais assistência técnica e mais tecnologia nas lavouras”, resumiu. “Em muitos municípios o volume de produção ficou acima de 150 sacas por alqueire, o que é uma média super boa”, avaliou.

Os municípios com as menores médias de produção estão localizados em áreas montanhosas e arenosas, circunstâncias que colaboram para a redução do potencial produtivo. “Outro fator que pode estar agregado a boa produtividade é que a maior parte das áreas de plantio da região é terra roxa, ou seja, são mais férteis”, acrescentou Priscila.

Ela ressaltou que os dados são preliminares, ou seja, podem sofrer alterações. “Temos um prazo até o final de setembro para fazer qualquer ajuste. Estes dados agora são públicos e de repente pode ser que algum prefeito conteste querendo uma revisão”, comentou. Priscila disse ainda que o IBGE já está iniciando os trabalhos neste segundo semestre para o Censo Populacional 2020. “Já vamos começar a atualizar a nossa base territorial”, disse.

Os dados do Censo Agropecuário 2017 foram recolhidos entre outubro do ano passado a fevereiro deste ano. A partir de então os técnicos vinham trabalhando na supervisão dos dados com a primeira divulgação no dia 27 de julho.

Quantidade produzida (toneladas)

Variável - área colhida (Soja)