Campo Mourão

Profissional renomada internacionalmente profere formação do Protocolo PREAUT em Campo Mourão

O Protocolo PREAUT é um instrumento francês de detecção de sinais de risco para autismo, que é aplicado na Rede Pública na França.
Erika Parlato pesquisa atualmente as competências do bebê, a interação mãe-bebê, a aquisição de linguagem oral, e em especial, o autismo (Foto: Diego Reis)

A psicanalista Erika Parlato-Oliveira está em Campo Mourão, onde profere uma formação sobre o Protocolo PREAUT, voltada para técnicos das Unidades de Saúde do Município, Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) e profissionais da APAE. Erika também é professora do Programa de Pós-Graduação em “Saúde da Criança e do Adolescente” da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da École Doctorale em “Recherche em Pshchanalyse” da Université Paris Diderot. Ela é co-coordenadora regional do PREAUT Brasil. Estão sendo capacitados 70 profissionais, ao todo. O evento é uma realização do Município de Campo Mourão, por meio da Secretaria da Saúde, em parceria com a APAE de Campo Mourão. Erika é uma profissional de renome internacional, com formação em linguística, semiótica, psiquiatria infantil e psicanálise.

O Protocolo PREAUT é um instrumento francês de detecção de sinais de risco para autismo, que é aplicado na Rede Pública na França. Erika Parlato pesquisa atualmente as competências do bebê, a interação mãe-bebê, a aquisição de linguagem oral, e em especial, o autismo.

Neste Protocolo, os bebês de 0 a 12 meses serão avaliados por profissionais da rede de Proteção Básica de Saúde, composta por UBS- Postos de Saúde, NASF, Programa Cegonha Feliz assim como dos CMEIs. Caso alguma criança seja identificada com sinais de risco para o autismo, a mesma será encaminhada imediatamente para a equipe de Reabilitação da Unidade de Saúde da APAE, onde o bebê receberá os atendimentos de Intervenção, para que os possíveis sinais de risco sejam minimizados ou até mesmo extintos, ou seja, evitando qualquer diagnóstico futuro de autismo.

De acordo com a assistente social Joselaine Lima Ferreira, Diretora da Assistência Social da APAE Campo Mourão, é extremamente importante frisar que o treinamento é inédito no Município de Campo Mourão e no Estado do Paraná. “Poucas cidades atuam com este Protocolo de Detecção e Intervenção. Vale salientar que haverá um marco entre o antes PREAUT e o pós PREAUT, para os profissionais que estão recebendo o treinamento, bem como para o próprio Município de Campo Mourão”, destaca.

Erika destacou a importância da vinda desta formação para a cidade. “O PREAUT é uma Associação Francesa que também tem um braço no Brasil, que se dedica a capacitar profissionais da saúde e da educação, para identificar sinais de risco de sofrimento psíquico no bebê. O protocolo já é validado, a publicação científica saiu em 2017, o mesmo permite verificar o desenvolvimento do bebê, nos quais descobrimos a sua capacidade de interagir com o mundo. Esta cidade está na frente por proporcionar esta capacitação para os seus profissionais. No caso do autismo, o seu diagnóstico só deve acontecer depois dos três anos de idade. Não estamos pensando em diagnóstico, e sim em observar o desenvolvimento e a constituição psíquica do bebê, para que ele tenha as melhores condições possíveis para se desenvolver bem e no futuro não encontrarmos um diagnóstico”, conclui.