Campo Mourão

Campo Mourão tem juiz de concurso de cerveja artesanal

O hobby do servidor público Janderson Paulo Bonfim por cerveja artesanal chegou ao ponto de conquistar certificação para juiz de concurso do produto. Morador do Jardim Casali, em Campo Mourão, ele é o único juiz da cidade nessa modalidade. Sua primeira atuação foi neste sábado (13), no 1º Concurso de Cerveja Artesanal de Cianorte, onde ajudou a julgar mais de 65 amostras de vários estados brasileiros.

Janderson produz cerveja caseira desde 2013, mas ainda não colocou o produto no mercado. Para se tornar juiz, passou por uma avaliação do Beer Judge Certification Program (BJCP), um programa norte-americano que certifica juízes cervejeiros em todo o mundo para atuar em concursos de produtores caseiros e profissionais. “Estudo cerveja desde 2013 e com isso você vai aprimorando conhecimentos. Então coloquei como meta passar nessa prova, cujo conteúdo é bem complexo”, explicou Janderson, que em 2017 fez um curso de somelier de cerveja. 

Ele ressalta que o teste para juiz começa com prova teórica on-line. O conteúdo exigido baseia-se na guia de estilos do BJCP, que abrange desde temas relacionados à produção, análise sensorial, estilos de cerveja, serviço, como também sobre o próprio programa. “Depois tem o exame prático de degustação, onde é preciso descrever desde a aparência, espuma, sensação na boca e sabor”, explica, ao acrescentar que o estudo para a prova também exige conhecimento da língua inglesa.

Como juiz a tarefa é julgar amostras, tomando como base padrões de estilos pré-estabelecidos em uma guia, no intuito de alavancar o desenvolvimento do setor, auxiliando no aprimoramento da qualidade das cervejas apresentadas. Atualmente, segundo ele, existem pouco mais de 200 juízes de cerveja artesanal no país com essa certificação. “É pouco para o tanto de concursos que tem”, afirma Janderson, que está no nível inicial.

Apesar da exigência de muito conhecimento, juiz de cerveja não é remunerado. “O BJCP é uma comunidade sem fins lucrativos e todos os concursos e provas têm taxa de inscrição para cobrir os custos. Quando viaja para participar de concursos, geralmente ganha hospedagem, alimentação e o custo do deslocamento”, explica Janderson, que faz parte da Associação de Cervejeiros de Campo Mourão, formada por cerca de 90 produtores.

Mercado em expansão

A cerveja artesanal é um mercado em expansão no país. Atrás apenas dos Estados Unidos e da China, a produção já conta com mais de 800 cervejarias, segundo levantamento feito no ano passado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A região Sul se destaca nesse cenário, com 45% da produção nacional e o Paraná é um dos destaques, com avanço anual na casa dos 20% ao ano desde 2011.

O processo de fabricação faz com que seja um pouco mais cara que as tradicionais. “Colocar cerveja artesanal no mercado envolve uma série de fatores, desde tributação, além de ingredientes e todo o processo, que é focado na qualidade e não quantidade. A fabricação artesanal demora pelo menos o dobro do tempo que a industrial e a margem de lucro é bem pequena”, explica Janderson.

Dados da Associação das Microcervejarias do Paraná apontam que o setor gera aproximadamente 500 empregos diretos e 2,5 mil indiretos. 
Considerada a capital nacional da cerveja artesanal, Curitiba (e região) concentra a maior produção brasileira, com 33 cervejarias e cerca de 400 mil litros mensais produzidos (segundo dados de outubro de 2018).